12:33 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3231
    Nos siga no

    A cooperação econômica entre a Rússia e China está sendo promovida ativamente, afirmou o vice-primeiro ministro russo, Sergey Prikhodko. Segundo ele, isso indica que os países estão trabalhando em prolongar o tratado de swap cambial.

    "No momento, os reguladores financeiros de ambos os países estão tentando prolongar o acordo bilateral de swap cambial por três anos", disse o político.

    Em 2014, os bancos centrais russos e chineses abriram uma linha de swap (acordo cambial recíproco temporário) para 150 bilhões de yuans (R$ 93 bilhões) ao longo de três anos. Isto ampliou o acesso dos bancos comerciais e dos seus clientes para rublos e yuans.

    Prikhodko também ressaltou que a cooperação financeira entre a Rússia e China está sendo desenvolvida ativamente.

    "A presença dos pagamentos recíprocos em moedas nacionais está aumentando. Em 2016 a presença das moedas nacionais [da Rússia e da China] nas exportações de bens e serviços russos alcançou um nível de 13% e de 16% nas importações. No primeiro trimestre de 2017 estes números mostraram um aumento de até 16% e 18% respectivamente", explicou ele.

    Recentemente, a China elaborou o Sistema de Pagamento Internacional da China (CIPS, na sigla em inglês) para ampliar o uso de sua moeda nacional nas transações internacionais. Prikhodko declarou que alguns bancos russos já estão participando desse sistema.

    O Sistema Nacional de cartões de credito da Rússia e o sistema chinês UnionPay afirmaram o tratado que permite utilizar os cartões de crédito chineses nas operações domesticas na Rússia. Os países planejam realizar o projeto piloto da UnionPay e o banco russo Rosselkhozbank, para lançar uma campanha conjunta de cartões de crédito Mir.

    Mais:

    A alternativa ao dólar que Rússia propõe aos seus cidadãos
    Nada é eterno: os dias do dólar estão contados?
    Tags:
    EUA, Rússia, China, relações comerciais, finanças
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar