05:23 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    7224
    Nos siga no

    A China acabou de lançar um sistema de pagamento para transações em rublo e yuan a fim de reduzir os riscos monetários. De fato, o único risco poderia derivar do dólar norte-americano, assinala F. William Engdahl, consultor de riscos estratégicos, em seu artigo para Global Research.

    De acordo com o analista, "o comércio sino-russo, cada vez mais significativo em termos de volume e valor”, poderia ser amaçado pelos “possíveis atos da guerra financeira do Departamento do Tesouro dos EUA". Portanto, o Banco Popular da China criou o sistema “Pago vs Pago” (PVP) que permite aos países evitar pagamentos recíprocos em dólares. 

    No anúncio oficial, publicado no site do Sistema de Comércio Cambial da China (CFETS, sigla em inglês), foi afirmado que o CFETS planeja introduzir sistemas similares ao PVP para transações em yuan e em outras moedas dentro de sua iniciativa da nova Rota da Seda. 

    William Engdahl opinou que por trás da iniciativa chinesa, também conhecida como "um cinturão, uma rota", há um componente integral da moeda baseada em ouro que poderia afetar o equilíbrio de poder global a favor das nações da Eurásia: da Rússia e das nações da União Econômica Eurasiática para China e toda a Ásia.

    A iniciativa da nova Rota da Seda, proposta pela China em 2013, visa construir uma rede de infraestrutura e comunicações e criar uma plataforma de cooperação econômica que liga dezenas de países da Ásia, Europa e África, repetindo as antigas vias comerciais da Rota da Sede. No total, atualmente, 67 países participam ou enviaram solicitação para se juntar ao projeto ambicioso, cujo valor total pode atingir bilhões de dólares e transformar o comércio mundial, frisou o especialista.

    A empresa britânica HSBS estima que o projeto de infraestrutura da nova Rota da Seda, que hoje em dia abrange países que são responsáveis por quase um terço do PIB mundial, incentivará o novo comércio adicional de 2,5 bilhões de dólares (R$ 8,14 bilhões) anuais. "Não é um câmbio pequeno da economia mundial, é um câmbio de jogo de primeira ordem", assegurou o autor.

    Além disso, explicou o especialista, há outro problema. Caso o projeto de cortes fiscais de Trump se torne lei, o déficit dos EUA aumentará significativamente. "É um telão de fundo para entender melhor o que a China, Rússia e os países aliados estão preparando para reduzir sua vulnerabilidade e o que levará ao colapso de sistema bancário mundial atual", explicou ele.

    "Caso outros países aliados da Eurásia, espacialmente os países da Organização para Cooperação de Xangai e possíveis membros, como o Irã e a Turquia recorram a vários acordos bilaterais, como a China e a Rússia, a fim de evitar o uso de dólar norte-americano no comércio, este cairá como moeda de reserva mundial e outras moedas o substituirão. O yuan é o candidato principal, e rublo também", prevê o analista.

    Contudo, William Engdahl assegurou que a Rússia e China não visam destruir o dólar.

    "O que a Rússia e a China estão fazendo, não é atacar o dólar norte-americano para destruí-lo. É muito pouco provável e não beneficiará a ninguém. Trata-se mais da criação de uma moeda de reserva alternativa independente para outras nações que desejam se proteger de ataques financeiros cada vez mais frequentes dos bancos de Wall Street e do Departamento do Tesouro dos EUA. Corresponde à construção de um elemento crucial para a soberania adicional, pois o sistema do dólar de hoje está sendo utilizado para devastar a soberania econômica do resto do mundo."

    O autor recorda as palavras de Henry Kissinge, quem nos anos 70 assinalou: "Se você controla dinheiro, controla todo o mundo."

    As declarações do governo chinês, de que seu sistema PVP poderia se estender a outros países da nova Rota da Seda, "põem outro tijolo na criação cuidadosa de um sistema monetário alternativo […] independentemente do sistema de dólar dos EUA politicamente explosivo, que poderia isolar as nações da Eurásia de Washington e da guerra financeira da UE, nos próximos anos".

    "Isso é o que deixa Washington nervoso. Suas opções estão se esgotando. As revoluções militares, financeiras, de cor e as ciberguerras são cada vez mais fracas a partir de um país que permitiu destruir sua própria base industrial e mão de obra a favor da oligarquia financeira. Assim aconteceu no caso do Império Romano que colapsou no século IV, com os britânicos nos anos 1914 e 1945, e como todos os impérios da história baseados na escravidão da dívida", ressaltou o autor. 

    Mais:

    China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados
    A alternativa ao dólar que Rússia propõe aos seus cidadãos
    Venezuela vai abandonar o dólar na negociação de petróleo, gás e ouro
    Tags:
    sistema financeiro, dólares, moeda, rublo, yuan, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar