17:00 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Gás de xisto

    Fim da supremacia do petróleo dos EUA: China está pronta para sair da sombra

    © AP Photo/ Hasan Jamali
    Economia
    URL curta
    12410

    O desenvolvimento de uma nova tecnologia para a extração do gás de xisto e a descoberta de duas grandes jazidas nas províncias de Shanxi e Gansu permitirão à China acabar com "a supremacia do petróleo dos EUA", opinam os jornalistas chineses Li Xue e Zhao Yue.

    Graças aos esforços das autoridades chinesas, o país conseguiu desenvolver uma nova tecnologia de perfuração relacionada com o fraturamento hidráulico. O método consiste na injeção de dióxido de carbono no poço, para que o gás de xisto saia da terra.

    A aplicação deste método pode contribuir para a otimização da atual estrutura energética na China, afirmam Li Xue e Zhao Yue no seu artigo para o portal Phoenix.

    Atualmente, o país conta com grandes reservas de gás de xisto, por isso esta otimização irá ajudá-lo a aumentar a produção de energia e, como consequência, resultará em uma diminuição dos preços.

    O desenvolvimento por parte da China do sector energético ameaça os planos dos EUA, país que se dirige para uma revolução de xisto. Hoje em dia, o país norte-americano recebe grandes receitas através da extração de hidrocarbonetos de xisto.

    Nos últimos 30 anos de desenvolvimento, a exploração do petróleo e gás se acelerou consideravelmente.

    Após a revolução de xisto, os preços de energia nos EUA sofreram uma forte queda. Atualmente, o dinheiro que as empresas na China pagam pela energia é o dobro do que pagam as empresas nos EUA.

    Devido a isso, Washington obteve uma vantagem sem precedentes: as rendas que anteriormente as empresas norte-americanas utilizavam para abastecer-se de energia, agora são utilizados para favorecer a economia.

    Qual é a vantagem do uso de recursos de xisto para a China?

    Hoje em dia, a China depende das importações de hidrocarbonetos para se abastecer. Em 2016, a China importou 71.200 milhões de metros cúbicos de gás natural, o que representa 35% do consumo total.

    Devido a esta dependência, os preços da energia dentro do país são mais altos que em outros países desenvolvidos. Por exemplo, em 2014, o valor médio de um megawatt por hora nos Estados-membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) foi de 123,88 dólares americanos (R$ 392), enquanto que o preço na China chegava aos 139,43 dólares (R$ 441).

    "Se tivermos a possibilidade de explorar as nossas próprias reservas de petróleo e gás de xisto, seremos capazes de baixar o preço da energia. Neste caso, os bens chineses no estrangeiro serão mais competitivos", assinalam os colunistas.

    Além disso, os jornalistas destacam o trabalho que realizaram os geólogos chineses para reduzir o atraso da China em relação aos EUA no setor de energia. O primeiro metro cúbico de gás de xisto foi colhido em 2010, e já entre 2012 e 2016 o volume de produção no país atingiu cerca de 100 milhões de metros cúbicos de gás. Atualmente, a China extrai 7.882 milhões de metros cúbicos, o que lhe permite ocupar o terceiro lugar, depois dos EUA e do Canadá.

    Para 2020, a China planeja produzir 30 bilhões de metros cúbicos e para 2030 entre 80 e 100 bilhões.

    Mais:

    O mito do gás de xisto americano
    Japão abandona o sonho do gás de xisto
    Recusando vender petróleo por dólares, Venezuela enfraquece EUA e reforça China
    Preços do petróleo sobem na Ásia, após publicação de novos dados dos EUA e China
    Tags:
    petróleo, gás de xisto, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik