17:47 21 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Extração de petróleo

    Será que países africanos ajudarão Venezuela no mercado petroleiro?

    CC0 / Pixabay
    Economia
    URL curta
    0 30

    Além do Egito e Turcomenistão, estão sendo realizadas negociações com sete países africanos interessados no acordo petroleiro entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e onze produtores independentes, declarou o ministro do Petróleo venezuelano, Eulogio del Pino.

    "Apelamos a mais países para aderirem ao acordo, falamos com [os representantes do] Egito, o ministro [russo de Energia, Aleksandr Novak] falou com o Turcomenistão, o que mais? O ministro da Guiné Equatorial conversou como outros sete países produtores de petróleo na África, que estão interessados no acordo", disse Del Pino aos jornalistas no Fórum Internacional de Energia em Moscou.

    Ele especificou que se trata de países como Uganda, Chade e República do Congo.

    Também há interesse por parte de vários países da América do Sul, adicionou o ministro.

    Del Pino recordou que, além disso, atualmente o acordo abrange 24 países e destacou que é necessário alcançar um consenso para que outros possam aderir.

    "Esperamos que o acordo possa incluir 40 países", afirmou o ministro.

    No dia 3 de outubro, Novak anunciou que a Rússia convidou o Turcomenistão a aderir ao acordo petroleiro, adicionando que, no momento, o país está pronto para fazê-lo oficialmente, mas expressa o seu interesse em observar e participar no debate da situação no mercado petroleiro.

    No mesmo dia, Del Pino comunicou que tinha convidado o Egito a se juntar ao acordo.

    Nos finais de 2016, a OPEP e onze produtores independentes – Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Guiné Equatorial, Cazaquistão, Malásia, México, Omã, Rússia, Sudão e Sudão do Sul – acordaram reduzir a produção total em 1,8 milhões de barris por dia.

    O acordo, que expirou em junho deste ano, foi prorrogado por nove meses, até o final de março de 2018.

    A fim de vigiar o cumprimento do acordo e elaborar as recomendações para ajustar as suas condições, foi criado o comitê de monitoramento ministerial, que se reúne a cada dois meses e inclui representantes da Arábia Saudita, Venezuela, Kuwait, Argélia, Omã e Rússia.

    A implementação do acordo também é supervisionada pelo comitê técnico, composto por especialistas dos países do comitê ministerial e que se reúne mensalmente.

    Mais:

    O que significa a medida ousada da Venezuela ao descartar vender petróleo por dólares?
    Forbes prevê fracasso da OPEP uma vez que Rússia se familiarize com xisto
    Preços do petróleo sobem após publicação do relatório da Agência Internacional de Energia
    Tags:
    extração, acordo, cooperação, petróleo, OPEP, Eulogio del Pino, Aleksandr Novak
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik