01:16 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Dólar norte-americano

    China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados

    © flickr.com/ Images Money
    Economia
    URL curta
    13552

    O tempo do dólar como meio de pagamento universal parece está chegando ao fim. Muitos países estão tentando se tornar independentes da hegemonia ditada pelos norte-americanos, escreve o portal russo Vesti Finance.

    Recentemente, o gigante asiático apoiado pela Rússia começou a dar passos decisivos na direção da criação de uma alternativa viável ao dólar americano no âmbito do comércio e das finanças.

    Em particular, a China anunciou o seu desejo de lançar contratos de futuros de petróleo em iuan com possível conversão em ouro. Contrato de futuros são acordos que obrigam as partes a comprar ou vender um ativo por um preço fixo e a ser entregue em um prazo futuro determinado com antecedência.

    Tais planos de Pequim não surpreenderam nem na Wall Street nem em Washington, crê o economista americano Frederick William Engdahl.

    Hoje em dia, o gigante asiático é o maior importador de petróleo do mundo. Por estas operações comerciais serem efetuadas em dólar, as forças que apoiam a moeda norte-americana temem que a introdução de uma boa alternativa possa privá-las de todas as vantagens oferecidas pela venda e compra.

    Segundo o portal russo Vesti, o lançamento dos contratos de futuros de petróleo em iuan pode se tornar uma alternativa na Ásia. Caso isso aconteça, o dólar "seria outro instrumento poderoso de manipulação […] que a China e os seus parceiros petrolíferos, entre eles a Rússia, poderiam eliminar".

    Esta medida de Pequim pode levar muitos países no Médio Oriente a optar pelos contratos de futuros em iuan, ao invés de comprar petróleo em dólar.

    De fato, a posição da Rússia quanto ao domínio mundial do dólar é bastante clara, e o presidente russo Vladimir Putin a reafirmou no dia 5 de setembro durante a celebração da cúpula do BRICS em Xiamen, China.

    "A Rússia comparte a preocupação dos países do grupo BRICS no que se refere à injustiça que reina na arquitetura financeira e econômica global que não leva em conta uma influência crescente dos países com os mercados em desenvolvimento. Estamos prontos para trabalhar com os nossos parceiros para evitar o domínio de um número limitado de moedas", declarou Vladimir Putin.

    No entanto, a Rússia e outros países do BRICS não são os únicos que apoiam a medida proposta pela China. Venezuela também quer se livrar do dólar.

    Há pouco, este país latino-americano oficialmente deixou de receber e enviar pagamentos em dólar em transações relacionadas à venda de petróleo bruto.

    Esse foi o primeiro passo dado na direção da independência do dólar. Comerciantes petrolíferos venezuelanos começaram a converter as suas faturas em euros, enquanto a mídia venezuelana informou que o país bolivariano também tinha começado a pagar petróleo bruto em iuan.

    "Os passos dados pela Venezuela demonstram uma fraqueza crescente dos EUA. Anteriormente, considerava-se que um país que não queria comprar dólares teria que esperar as mudanças do regime em curto prazo. Agora a situação mudou", reforça o portal russo Vesti Finance.

    Mais:

    Recusando vender petróleo por dólares, Venezuela enfraquece EUA e reforça China
    Venezuela vai abandonar o dólar na negociação de petróleo, gás e ouro
    Preços do petróleo sobem após publicação do relatório da Agência Internacional de Energia
    Muito petróleo, pouco dinheiro: Estaria a Venezuela próxima da falência?
    Tags:
    petróleo, comércio, Dólar, BRICS, Vladimir Putin, Venezuela, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik