22:39 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Gás queimando

    Rússia VS EUA: quem ganhará a 'guerra do gás' na Europa?

    © Sputnik/ Menshikov
    Economia
    URL curta
    16271

    Recentemente, Washington e Moscou voltaram a confrontar-se, mas desta vez no campo de batalha das vendas de gás na Europa. Como terminará este enfrentamento das duas potências? O analista italiano explicou.

    Os EUA estão tentando penetrar no mercado europeu de gás custe o que custar. Para atingir o seu objetivo, Washington recorreu à introdução de novas sanções contra a Rússia, país que atualmente fornece 35% do gás importado pelos países da União Europeia.

    O chefe da empresa italiana Nomisma Energia, Davide Tabarelli, falou com a Sputnik Itália sobre as perspectivas das exportações de gás russas e norte-americanas.

    Segundo o especialista, a Europa tem grande interesse para a Rússia, já que o país recebe grandes recursos financeiros exportando seu gás aos países europeus.

    A Itália é um dos países que se viu mais afetado pelas sanções recentemente introduzidas por Washington contra o projeto da construção do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2). Muitas empresas italianas estavam participando deste projeto.

    Dado que o Nord Stream visa abastecer de gás principalmente o Norte da Europa, Tabarelli considera que seria muito bom para a Itália se a Rússia recuperasse o projeto South Stream (Corrente do Sul), que previa construir um gasoduto através do mar Negro até à costa italiana.

    Assim como o projeto Turkish Stream (Corrente Turca), o South Stream foi suspenso. Esta suspensão foi uma derrota estratégica de Itália no âmbito energético.

    "Há vários anos, o South Stream era considerado uma solução ótima, dado que permitiria construir um gasoduto contornando a Ucrânia e consolidaria as relações com a Rússia. Agora está abandonado. É uma grande perda tanto para nossas empresas como para as outras empresas europeias", disse Tabarelli.

    O analista considera que as tentativas empreendidas pelos EUA de pressionar a Rússia no mercado de gás europeu não serão bem-sucedidas, porque Moscou é um fornecedor mais cômodo para a UE do que Washington.

    "A Rússia continua sendo o maior fornecedor de gás por uma razão muito simples: a Rússia é a Europa […]. Mais do que isso, ela ocupa o primeiro lugar no mundo em termos de reservas de gás", sublinhou ele.

    Davide Tabarelli explicou que, no futuro, a Rússia não terá concorrentes como fornecedor de gás à Europa, porque o custo de transporte do gás russo é muito mais baixo do que o do gás natural liquefeito norte-americano.

    Mais:

    Síria: Missão internacional confirma que gás sarin foi usado em ataque em Idlib em abril
    Qatar, responsável pela produção de 25% do hélio mundial, parou a produção do gás
    Curdistão iraquiano espera por investimentos russos em petróleo e gás
    Tags:
    relações bilaterais, sanções econômicas, fornecimento, gás, Nord Stream 2, UE, EUA, Itália, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik