07:49 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    A bandeira de Portugal durante manifestações de 25 de abril, 2016

    Comércio com Brasil cresce, mas economia portuguesa continua com corda no pescoço

    © AFP 2017/ PATRICIA DE MELO MOREIRA
    Economia
    URL curta
    Nuno Ramos de Almeida
    412479-1

    Apesar da recuperação económica e do crescimento das importações e exportações, apesar de crescer no último trimestre a taxas de 2,8%, a dívida externa continua a aumentar e a estrangular Portugal.

    As trocas comerciais entre Portugal e o Brasil somaram em julho US$ 282,6 milhões (R$ 893,8 milhões), o valor mensal mais alto desde o início do ano, segundo os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil.

    As exportações brasileiras para Portugal chegaram a US$ 198,5 milhões (R$ 627,8 milhões) em julho, um registro que fica 45% acima do verificado no mês anterior e que supera também o valor anormalmente baixo de US$ 24,8 milhões (R$ 78,4 milhões) de julho de 2016.

    A corrente de comércio luso-brasileira acumulada desde janeiro é de US$ 1,14 bilhão (R$ 3,61 bilhões). Mantendo-se o ritmo, em agosto a relação económica entre os dois países poderá superar o fluxo comercial de todo o ano 2016, que se cifrou em US$ 1,29 bilhão (R$ 4,08 bilhões). O recorde absoluto de trocas entre o Brasil e Portugal foi registrado em 2011, com US$ 2,9 bilhões (R$ 9,17 bilhões).

    A notícia, veiculada pelo site Portugal Digital, não impressiona demasiado Nuno Teles, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e doutorado em Economia pela School of Oriental and African Studies (Escola de Estudos Africanos e Orientais, ou SOAS na sigla em inglês) que, em declarações à Sputnik Brasil, considerou:

    "O comércio entre Portugal e o Brasil é pouco, não é muito significativo e tem crescido devido ao crescimento da economia portuguesa, sobretudo a [em] nível das importações. No caso das exportações, elas continuam muito limitadas: azeite, bacalhau e pouco mais. Não traduz, a [em] nível do comércio, o desenvolvimento das economias. Eles exportam matérias-primas e nós importamos azeite e bacalhau, que nem é pescado cá."

    Este crescimento das importações acima das exportações tem sido a nota fundamental do desenvolvimento da economia portuguesa depois do abrandar das imposições da troika (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional), expressando-se essa tendência claramente no primeiro semestre de 2017.

    As exportações portuguesas aumentaram 12,1% no primeiro semestre deste ano e as importações cresceram 14,5%, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

    Apenas no mês de junho, as exportações subiram 6,8% e as importações aumentaram 7,1%, levando a um crescimento de 80 milhões de euros (R$ 297,3 milhões) no défice da balança comercial de bens, para 1.004 milhões de euros (R$ 3.731 milhões).

    O INE explica que o desempenho das exportações de junho deve-se principalmente ao crescimento de 6,3% registado nas vendas aos países da União Europeia (UE), enquanto a subida nas importações reflete o acréscimo de 7,4% no comércio dentro da UE.

    Entre os principais países de destino, as exportações para Espanha (6,4%), Angola (46%) e França (6,5%) apresentaram os maiores aumentos em face de junho de 2016 e, ao contrário, as vendas a Marrocos, Alemanha e Estados Unidos registaram diminuições.

    Nas importações, entre os maiores países fornecedores, em junho é assinalado o crescimento, em termos homólogos, das importações provenientes de Espanha (9,1%) e apenas as importações da Rússia e do Reino Unido diminuíram (menos 53,4% e menos 8,4%, respetivamente).

    A atividade económica está crescendo aos ritmos mais céleres dos últimos 16 anos, segundo os dados do INE. A contribuir para este desempenho está, em grande parte, o contínuo aumento do consumo privado.

    Para Nuno Teles, este é um comportamento natural da economia portuguesa. Em declarações à Sputnik Brasil, o investigador alerta que a incapacidade de mudar a estrutura produtiva da economia portuguesa faz com que o crescimento seja, sobretudo, alavancado pelo consumo interno, o que resulta em um maior aumento das importações em relação às exportações.

    "Isso é natural que assim seja, nada mudou no padrão da estrutura econômica portuguesa, para que uma recuperação econômica não provoque uma subida maior das importações do que das exportações. Haver uma recuperação econômica portuguesa é normal que tenhamos défice externo, que é uma coisa que não aconteceu nos anos da troika, porque o mercado interno tinha colapsado. É normal que volte a acontecer com todos os problemas que isso traz", considerou.

    Questionado sobre se vivemos uma espécie de crescimento com a corda na garganta? O investigador aquiesceu: "exatamente".

    De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais relativas ao período entre abril e junho, o Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,8% homólogos em volume, uma variação idêntica à registada no trimestre anterior.

    A economia portuguesa mantém assim, pelo segundo trimestre consecutivo, o desempenho trimestral homólogo mais positivo dos últimos 10 anos, que iguala ao crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.

    Segundo o INE, "a procura externa líquida registou um contributo ligeiramente negativo para a variação homóloga do PIB, refletindo uma mais acentuada desaceleração em volume das exportações de bens e serviços do que das importações de bens e serviços".

    Já "a procura interna manteve um contributo positivo elevado, superior ao do trimestre precedente, em resultado da aceleração do investimento".

    Apesar desses resultados, a estrutura da economia não se alterou e o endividamento externo continua crescendo. O peso do endividamento do setor não financeiro (famílias, empresas e Estado) na economia nacional subiu de 385,1% no final do primeiro trimestre para 385,9% do PIB em junho (de 718,3 mil milhões para 726 mil milhões de euros), revelam os dados do Banco de Portugal publicados a 22 de agosto.

    "Em relação ao final de 2016, o endividamento do sector não financeiro aumentou 10,9 mil milhões de euros [R$ 40,51 bilhões], dos quais 9,9 mil milhões de euros [R$ 36,8 bilhões] respeitavam ao sector público e 1,0 mil milhões de euros [R$ 3,72 bilhões] ao sector privado", lê-se na nota divulgada à imprensa pelo Banco de Portugal.

    Apesar dos bons indicadores em termos de crescimento, e até uma diminuição dos ritmos de crescimento da dívida, é impossível que Portugal consiga pagar a dívida externa e crescer. Sendo que quanto mais dívida tem de pagar, menos é provável que consiga crescer.

    A esse respeito, no início dos anos da intervenção da troika nas economias semiperiféricas da União Europeia (UE), o editor do Financial Times, Martin Wolff, contou uma história que resume a situação desses países sem uma séria renegociação da dívida externa e uma alteração dos padrões produtivos e econômicos na UE.

    "Existe uma história que conta que um homem condenado à morte disse ao seu rei: 'Eu poderia ensinar o cavalo de Sua Majestade a cantar, no prazo de um ano.' O rei respondeu: 'Muito bem. Mas se o cavalo não cantar daqui a um ano, você será executado.' Quando o criminoso regressou à prisão, o seu companheiro de cela contestou: 'Tu sabes que não consegues ensinar aquele cavalo a cantar.' O homem respondeu: 'Eu tenho um ano que não tinha antes. Muita coisa pode acontecer num ano. O rei pode morrer. O cavalo pode morrer. Eu posso morrer. E, quem sabe? Talvez o cavalo vá cantar."

    Mais:

    Especialista: conexão Pequim-Lisboa pode aproximar Brasil da Ásia
    Está tudo muito bem, mas vamos fechar negócio mais tarde
    Uma casa portuguesa com certeza: mais brasileiros decidem viver em Portugal
    Petrobras tem lucro menor e aumenta dispensas e desinvestimento
    Yes! Queremos mais turistas. Problema é investir para trazê-los
    Orçamento de 2018: a Lava Jato será afetada?
    Tags:
    crise, economia, dívida externa, comércio bilateral, crescimento econômico, Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional, Brasil, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik