04:38 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Fórum Econômico Internacional 2016

    Fórum Econômico de São Petersburgo fecha com maior número de acordos assinados

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Economia
    URL curta
    Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (19)
    130

    O principal tema do Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF) de 2017, que decorreu na cidade russa de São Petersburgo entre 1 e 3 de junho, foi a busca de um novo equilíbrio no contexto da economia global, sendo que neste ano a conferência bateu todos os recordes em número de acordos assinados e especialistas participantes.

    O assunto-chave nos debates relacionados com a economia russa foi a estratégia de Moscou nas condições econômicas atuais. A coisa é que, em substituição da época de domínio das matérias-primas e dos ritmos de crescimento econômico elevados, chega a necessidade de garantir a "qualidade do crescimento".

    O melhoramento do clima de investimentos e das condições empresariais na Rússia foi mais um assunto que impregnou a maior parte dos eventos do SPIEF. Mais de 900 moderadores e locutores se pronunciaram sobre as questões do desenvolvimento socioeconômico, da energia e transportes, da ecologia e saúde pública, da cultura e turismo e da educação e ciência.

    Pela primeira vez em três anos, teve lugar um diálogo empresarial entre a Rússia e os EUA, do qual participou o presidente russo Vladimir Putin. Além disso, nas margens do fórum houve reuniões do grupo G20, conferências do grupo BRICS e a da Organização para Cooperação de Xangai (OCX).

    Os representantes de muitos países e empresas estrangeiras escolhem o SPIEF como uma ferramenta eficaz de promoção dos seus próprios projetos de investimento.Neste ano, essa oportunidade foi aproveitada pela Índia e pela Sérvia, que montaram suas próprias exposições no âmbito do fórum. Particularmente, a Índia expressou seu desejo de modernizar as Forças Armadas no valor de 150 bilhões de dólares.

    Neste ano, a SPIEF reuniu um número de participantes sem precedentes, ou seja, mais de 14 mil empresários, chefes de organizações internacionais, altos responsáveis oficiais, especialistas, cientistas e jornalistas de mais de 143 países. Entre os países mais representados no fórum figuram os EUA, a Alemanha, a China, a Itália, o Japão e outros.

    Do fórum também participaram políticos estrangeiros eminentes, como, por exemplo, o secretário-geral da ONU António Guterres e o secretário-geral da OPEP Mohammed Barkindo. Além disso, foram credenciados cerca de 45 ministros de 30 países.

    O evento principal da SPIEF foi uma sessão plenária que contou com a participação do presidente russo, Vladimir Putin, do premiê indiano Narendra Modi, do chanceler austríaco Christian Kern, bem como do presidente moldavo Igor Dodon.

    No ano de 2017, foram assinados 475 tratados de investimentos, acordos e memorandos no valor total de 1.818 bilhões de rublos, ou seja, cerca de 105 bilhões de reais (considerando apenas os acordos cujo conteúdo não constitui sigilo empresarial).

    Entre os tratados principais, há o acordo entre o consórcio químico alemão Linde Group e o grupo russo Taif para a construção de um novo complexo de etileno no valor de 600 bilhões de rublos (cerca de 35 bilhões de reais) ou o acordo entre a Rosatom russa e a Corporação de Energia Atômica da Índia no valor de quase 240 bilhões de rublos (cerca de 14 bilhões de reais).

    Para comparação, em 2015 foram 205 os acordos assinados no âmbito da SPIEF, enquanto em 2016 este número somou 356.

    Tema:
    Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (19)

    Mais:

    Opinião: 'Um Cinturão, uma Rota' não é lugar para concorrência
    Empresas russas ajudarão a reconstruir a Síria
    Crimeia receberá mais de US$ 5 bilhões em investimentos nos próximos dois anos
    Tags:
    empresários, negociações, Fórum Econômico de São Petersburgo, SPIEF 2017, BRICS, Organização para Cooperação de Xangai, Narendra Modi, António Guterres, Vladimir Putin, EUA, Rússia, Irã, Índia, São Petersburgo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar