12:12 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente eleito dos EUA Donald Trump

    Trump realiza reconhecimento de combate na China

    © REUTERS/ Mark Kauzlarich
    Economia
    URL curta
    607

    Pequim expressou preocupação após recentes declarações feitas por Donald Trump. Um especialista russo contou detalhes sobre isso à Sputnik.

    A China se mostrou "seriamente preocupada" quanto às declarações feitas pelo futuro presidente dos EUA, Donald Trump, sobre a política "de uma China única" nas relações com Taiwan, divulgou o representante oficial da chancelaria chinesa, Geng Shuang.

    Anteriormente, em entrevista ao canal de TV americano Fox News, Trump declarou que não permitirá a Pequim mostrar como ele deve se relacionar com Taiwan e não entende por que os EUA devem apoiar a política "de uma China única".

    Durante um briefing, Geng Shuang sublinhou que esta política é a base para o desenvolvimento das relações sino-americanas.

    "Gostaria de sublinhar que a questão de Taiwan se refere à questão da soberania de Estado, da integridade territorial e dos interesses fundamentais [da China]", disse.

    Na semana passada, Trump falou por telefone com o chefe de Taiwan, Tsai Ing-wen. A ligação telefônica foi a primeira entre um presidente ou presente eleito dos EUA e um chefe de Taiwan desde 1979, quando foram rompidas as relações diplomáticas entre Taiwan e Washington. O lado chinês apresentou protesto diplomático por razão da situação.

    De acordo com a opinião do especialista em política norte-americana, Dmitry Mikheev, a troca de fortes declarações entre Pequim e Washington é um sinal de uma possível futura guerra econômica entre os dois países.

    "A guerra econômica entre a China e os EUA realmente está amadurecendo. Quando Trump deu início a sua campanha eleitoral, ele chegou a declarar que a China é a causadora da desindustrialização que está acontecendo nos EUA – indústria de alta tecnologia sai para a China e empobrecimento da classe média norte-americana", notou.

    Sendo assim, o especialista acredita que norte-americanos, que votaram em Trump, defendem que chegou a hora de tomar medidas contra o principal rival dos EUA – a China. 

    Segundo Mikheev, o presidente eleito Donald Trump pretende atingir sérias concessões econômicas da China:

    "Trump não quer iniciar uma guerra de tarifas, pois isso levaria à formação de uma crise colossal para a economia mundial, mas quer forçar a China a aumentar voluntariamente a taxa cambial de yuan e tomar outras medidas. O lado dos EUA realiza reconhecimento especial: atacar e ver, qual será a resposta. Mas o alvo de Trump, no fim das contas, não é a guerra, e sim a procura por um instrumento de pressão a Pequim".

    O especialista, ao mesmo tempo, destaca que atualmente a economia da China é tão forte que poderia destruir o sistema financeiro dos EUA, obrigando Trump a manter relações bilaterais com a nação chinesa.

    Mais:

    Por que a China aumenta sua influência na Síria?
    Tags:
    guerra econômica, opinião, Donald Trump, Taiwan, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik