04:28 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A cidade de Xangai, na China, que abriga a sede do Novo Banco de Desenvolvimento, o chamado Banco do BRICS

    Banco do BRICS aprova 2 projetos de larga escala na Índia e China

    © AFP 2017/ JOHANNES EISELE
    Economia
    URL curta
    BRICS ganha força no mercado financeiro (11)
    13119590

    O Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS aprovou dois projetos no território da China e da Índia no valor total de 641 milhões de dólares, diz o comunicado da entidade.

    Segundo foi informado, o banco concederá um crédito equivalente a cerca de 291 milhões de dólares que será destinado à execução do projeto de construção de uma usina eólica costeira no Golfo de Pinghai no município de Putian, província de Fujian.

    Além disso, será providenciado um crédito no valor de 350 milhões de dólares para o projeto de construção e renovação de 1,5 mil quilômetros de rodovias no estado indiano de Madhya Pradesh.

    Os projetos foram apresentados na terça-feira (22) em Xangai, na China.

    Segundo o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS, Kundapur Vaman Kamath, os dois projetos "visam satisfazer as necessidades dos países integrantes do banco na área de infraestruturas".

    Assim, segundo Kamath, com esses dois projetos o banco já aprovou em um ano o total de sete projetos orçados em 1,5 bilhões de dólares.

    O Novo Banco de Desenvolvimento, cuja criação foi anunciada pelo BRICS na cúpula de Fortaleza, em julho de 2014, visa financiar projetos de infraestrutura dos países fundadores e fornecer fundos para outros países em desenvolvimento. A instituição, com sede em Xangai, foi criada com um capital inicial de 100 bilhões de dólares.

    Tema:
    BRICS ganha força no mercado financeiro (11)

    Mais:

    Conheça BRICS em detalhe
    Agências espaciais dos BRICS assinam acordo de cooperação
    Tags:
    rodovia, fundos, projetos, construção, infraestrutura, Banco de Desenvolvimento do BRICS, Fortaleza, Xangai, Índia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik