16:15 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8512
    Nos siga no

    Segundo subsecretária do Departamento de Defesa norte-americano, é preciso trabalhar para encontrar "hipersônicos mais acessíveis".

    O Pentágono quer cortar o custo final das armas hipersônicas, já que a próxima geração de mísseis super-rápidos em desenvolvimento custa atualmente dezenas de milhões por unidade, segundo a Reuters.

    De acordo com a subsecretária do Departamento de Defesa para Pesquisa e Engenharia dos EUA, Heidi Shyu, é "preciso descobrir como se direcionar para hipersônicos mais acessíveis". Heidi também enfatizou que a redução do custo era algo em que "gostaria de ajudar a indústria a se concentrar", relatou a agência.

    Ainda segundo a subsecretária "se os custos começarem a progredir em histórias de sucesso, e à medida que começarmos a comprar mais […], a curva de preço cairá".

    Atualmente, os Estados Unidos usam mísseis de cruzeiro que custam menos de US$ 5 milhões (R$ 27,6 milhões) por unidade para atacar profundamente o território inimigo. Entretanto, os mísseis de cruzeiro são inferiores às armas hipersônicas porque têm um alcance mais curto, são muito mais lentos e mais vulneráveis ​​a serem detectados e abatidos.

    Tanto a Lockheed Martin quanto a Raytheon Technologies, gigantes norte-americanas na produção de aeronaves, estão trabalhando em armas hipersônicas para o Pentágono, de acordo com a mídia.

    A solicitação de orçamento do Pentágono no ano fiscal de 2022 para pesquisa hipersônica foi de US$ 3,8 bilhões (R$ 21 bilhões), ante US$ 3,2 bilhões (R$ 17,7 bilhões) no ano anterior, segundo a Reuters.

    Mais:

    Caças russos Su-57 serão equipados com novo míssil hipersônico antinavio
    Míssil hipersônico russo Tsirkon é lançado pela 1ª vez de submarino nuclear no Ártico (VÍDEO)
    Características do míssil hipersônico russo Tsirkon foram confirmadas em teste, diz Frota do Norte
    Tags:
    míssil hipersônico, míssil de cruzeiro, Defesa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar