11:01 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    171017
    Nos siga no

    O lançador múltiplo de foguetes TOS-1 Buratino, muitas vezes referido como sistema de lança-chamas pesado, deve ser o alvo número um das forças da OTAN em caso de um conflito armado com a Rússia, afirma Brent Eastwood, ex-oficial do Exército dos EUA e colunista do portal 19fortyfive.

    Ele observou que o TOS-1, com seus mísseis incendiários ou termobáricos, consegue cobrir uma área do tamanho de dois campos de futebol.

    O impacto produz uma nuvem química que incendeia o ar e "suga a vida de qualquer um". A arma sufoca e depois queima qualquer ser vivo que esteja em sua área de alcance.

    O colunista também apelou à proibição do uso deste sistema a nível internacional, mas esta iniciativa pode encontrar resistência de um grande número de países que já compraram o armamento.

    Lançador múltiplo de foguetes TOS-1 é mostrado durante o fórum militar EXÉRCITO 2018
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Lançador múltiplo de foguetes TOS-1 é mostrado durante o fórum militar EXÉRCITO 2018

    Os lançadores de foguetes estão montados em um chassi do tanque T-72 e possuem 24 tubos de lançamento para foguetes de 220 mm.

    Uma salva completa pode ser lançada em apenas 12 segundos, diz artigo. Cada foguete com ogivas incendiárias ou termobáricas pesa cerca de 180 quilos.

    O TOS-1 é utilizado para eliminar tropas em locais fortificados e de difícil acesso como bunkers, edifícios e trincheiras. Além disso, o sistema consegue neutralizar equipamentos blindados ligeiros, tais como veículos de transporte de pessoal.

    Mais:

    EUA enviam 4 bombardeiros B-1B Lancer ao Reino Unido em meio a tensões com Rússia (VÍDEO)
    'Aviso para Rússia e China': Marinha britânica lança drone militar de porta-aviões (VÍDEO)
    Caças russos Su-57 serão equipados com novo míssil hipersônico antinavio
    Tags:
    lançador de foguete, Rússia, tecnologia militar, EUA, armas modernas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar