16:41 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    83910
    Nos siga no

    Yan Novikov, diretor-geral da empresa russa Almaz-Antey, que fabrica equipamentos de defesa antiaérea e de radar, considera que os EUA estão elaborando tecnologias de veículos orbitais reutilizáveis de combate, capazes de realizar ataques secretos a partir do espaço.

    O especialista observou que os EUA estão modernizando e desenvolvendo uma série de meios que podem lhes permitir conduzir ataques rápidos e de precisão contra qualquer tipo de alvos em qualquer lugar do mundo.

    "No que diz respeito aos meios aeroespaciais [dos EUA], trata-se nomeadamente de aeronaves espaciais não tripuladas X-37", disse o diretor-geral em entrevista ao jornal Krasnaya Zvezda.
    X-37B experimental em sua base na Flórida
    © AP Photo / Força Aérea dos Estados Unidos
    X-37B experimental em sua base na Flórida

    Segundo ele, o primeiro aparelho deste tipo foi lançado em 2010, e até o momento já foram lançados vários. Oficialmente, estas aeronaves têm como objetivo a pesquisa científica.

    "Mas entendemos que elas podem ser usadas como portadores de ogivas nucleares. Os EUA planejam aumentar ainda mais o número de tais veículos no espaço. Este é um sério desafio", acrescentou.

    De acordo com o diretor-geral da empresa Almaz-Antey, com base nos testes destes veículos estão sendo experimentadas tecnologias para o desenvolvimento de sistemas de ataque aeroespaciais reutilizáveis. Estes sistemas devem assegurar a rapidez de ações e um vasto leque de capacidades, com a redução de custos de operação.

    Mais:

    'Ameaça existencial': China tem armas nucleares suficientes para destruir EUA, diz general
    EUA podem implantar armas nucleares no espaço usando Marte como pretexto, diz chefe da Roscosmos
    EUA querem criar pequenos mísseis de longo alcance, mas sua tecnologia atual dificulta
    Tags:
    ogivas nucleares, veículo espacial, defesa antiaérea, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar