21:01 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3344
    Nos siga no

    No início da semana, Pyongyang anunciou que tinha testado com êxito um novo míssil de cruzeiro de longo alcance que foi descrito pela mídia norte-coreana como uma "arma estratégica de grande importância". Já na quarta-feira (15) o país testou um míssil balístico lançado a partir de uma plataforma ferroviária.

    Ao lançar mísseis balísticos nesta quarta-feira (15), Coreia do Norte testou um novo sistema de mísseis projetado para combater qualquer força que ameace o país, informou a agência estatal de notícias KCNA citando o marechal norte-coreano Pak Jong-chon.

    "Sistema ferroviário de mísseis serve de meio eficiente de contra-ataque capaz de desferir um duro golpe multiconcorrente contra forças que representem uma ameaça", salientou Pak Jong-chon, que também é membro do Partido dos Trabalhadores da Coreia governista.

    O militar também se referiu aos planos do Exército norte-coreano de expandir em um futuro próximo o regimento de mísseis ferroviários para uma força de tamanho de uma brigada e de conduzir exercícios para ganhar "experiência operacional para a guerra real".

    Estes comentários foram feitos após KCNA informar que os mísseis de ontem percorreram 800 km antes de atingirem um alvo no mar ao largo da costa leste da Coreia do Norte.

    Vantagens do sistema ferroviário de mísseis

    Em entrevista à Sputnik, Vladimir Khrustalev, especialista em programas de mísseis nucleares da Coreia do Norte, apontou que no contexto do país o sistema ferroviário de mísseis possui certas vantagens.

    "É possível assegurar um patrulhamento constante e de baixo custo e uma reação rápida usando a rede de transporte local e aparentando serem trens convencionais. É evidente que o adversário agora vai acompanhar de perto os trens da Coreia do Norte. Mas, por outro lado, as ferrovias se tornam em um local adicional a partir do qual podem ser lançados mísseis da Coreia do Norte. Portanto, agora qualquer trem que circule no sistema de transporte local deve ser considerado", disse especialista.

    Por sua vez, Kim Dong-yup, professor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Universidade de Kyungnam (Coreia do Sul), disse estar surpreendido que Pyongyang tenha passado a utilizar trens como meio de transporte e lançamento de mísseis.

    Míssil sendo lançado durante um exercício do Regimento Ferroviário de Mísseis Móveis na Coreia do Norte
    © REUTERS / KCNA
    Míssil sendo lançado durante um exercício do Regimento Ferroviário de Mísseis Móveis na Coreia do Norte

    "Quem diria que estaríamos em uma situação em que, no dia do lançamento [de mísseis] de um submarino pela [Coreia] do Sul, a [Coreia] do Norte estaria os lançado de um trem [...] Se uma guerra começar, as ferrovias norte-coreanas serão o alvo número um a ser destruído. Todas as rotas já são conhecidas, e se o trajeto for interrompido no meio será impossível [continuar] a deslocação. Provavelmente, além dos esforços para diversificar os meios e modos de lançamento, em vez continuar construindo apenas unidades de transporte e lançamento rodoviárias, a ideia foi alcançar benefícios econômicos reduzindo o custo no caso de utilização de trens existentes", comentou.

    Os lançamentos de mísseis ocorrem pouco depois do desfile militar realizado na Coreia do Norte, na semana passada, em comemoração do 73º aniversário da fundação do país, exibindo unidades paramilitares mecanizadas, lançadores de foguetes e armas antitanque.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Coreia do Norte lança 2 mísseis balísticos em direção ao mar do Japão, Seul e Tóquio confirmam
    Pentágono promete proteger aliados após Coreia do Norte lançar novo tipo de míssil de longo alcance
    Por que Coreia do Norte lança mísseis com frequência? Especialista russo revela 3 causas possíveis
    Tags:
    mísseis balísticos, Coreia do Norte, sistema de mísseis, Coreia do Sul, tensão regional
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar