10:35 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2313
    Nos siga no

    O projétil foi disparado por um lançador modular com capacidade para quatro mísseis e instalado a bordo de um USV Ranger, embarcação experimental que faz parte do programa Ghost Fleet Overlord.

    A Marinha norte-americana disparou com sucesso a partir de um navio de superfície não tripulado (USV, na sigla em inglês) um míssil padrão SM-6.

    Um vídeo compartilhado recentemente pelas autoridades de Defesa mostra um SM-6 sendo disparado por um lançador modular com capacidade para quatro mísseis e instalado na superfície de um USV Ranger, embarcação experimental que faz parte do programa Ghost Fleet Overlord.

    ​Veja como os inovadores conceitos de mudança de jogo, de cruzamento entre domínios, de cruzamento entre serviços do Escritório de Capacidades Estratégicas e da Marinha dos EUA estão sendo rapidamente desenvolvidos: um SM-6 lançado de um lançador modular a partir do USV Ranger. Uma inovação como essa impulsiona o futuro das capacidades conjuntas.

    O SM-6 pode ser usado para destruir diversos alvos aéreos, como aviões, helicópteros e mísseis de cruzeiro, bem como mísseis balísticos em sua fase final de voo.

    Por essa versatilidade, o Pentágono definiu o projétil como uma das armas com maior potencial para suas operações.

    Estes avanços nos sistemas de lançamento de mísseis poderiam permitir que a Marinha dos EUA dispusesse de uma ampla rede de navios não tripulados com uma considerável capacidade de fogo e um alcance de centenas de quilômetros.

    Mais:

    Marinha dos EUA usa helicópteros não tripulados para testar mapeamento de litorais com sistema LiDAR
    Marinha dos EUA implanta pela 1ª vez esquadrão de caças F-35C de 5ª geração em porta-aviões
    Marinha dos EUA: para Ártico não se tornar contestado é preciso colaboração, 'mesmo com os russos'
    Tags:
    míssil, míssil balístico, míssil teleguiado, míssil hipersônico, EUA, Marinha dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar