06:03 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    O projeto de integração das Forças Armadas dos países da União Europeia, projetado para fortalecer a autonomia militar da Europa, segue estancado.

    O jornal Politico obteve acesso a um relatório confidencial sobre a Cooperação Estruturada Permanente em Defesa e Segurança (PESC, na sigla em inglês), programa lançado em 2017 se não como alternativa, pelo menos como um implorante complemento à OTAN.

    Na época, um de seus lobistas, Jean-Claude Juncker, que liderava a Comissão Europeia, afirmou que havia chegado o "momento de despertar a bela adormecida". No entanto, "desde então, ela mal se moveu", admite o Politico.

    De acordo com o relatório enviado pela Secretaria da PESC a 25 países participantes, quase metade dos projetos ainda permanece em estado embrionário.

    Em teoria, a PESC engloba todas as áreas, terrestre, marítima, aérea, espacial e ciberespacial, e inclui 46 projetos diversos, desde a proteção de drones até o treinamento de serviços de inteligência. No entanto, 21 projetos estão estancados na etapa inicial.

    No caso de outros 17 projetos, depois de três anos e meio, "ainda não foi determinado o escopo de trabalho". Alguns foram adiados por vários anos. E apenas oito alcançaram a penúltima etapa, mas nenhum passou para a fase final.

    Em seis casos, a pandemia foi citada como a causa do fracasso ou atraso. Para duas dezenas de missões, os Estados não têm dinheiro.

    O motivo do fracasso dos demais não foi explicado no relatório. Por exemplo, a Alemanha é responsável por estabelecer um sistema de resposta às crises para situações de emergência.

    "Ironicamente, nem sequer designou o ano de conclusão do programa, projetado para fornecer uma maior planificação móvel", escreve o Politico, ressaltando que o mesmo ocorre com a tarefa da França de coordenar as comunicações entre as bases de diferentes países da UE.

    Três anos e meio depois, metade dos projetos de defesa da UE mal começou.

    As conversas sobre a política comum de defesa europeia foram intensificadas com a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

    "Os partidários de ampliar a cooperação militar dentro da UE argumentaram que a Europa não pode depender sempre dos EUA ou da OTAN", observa a mídia.

    No entanto, o assunto não foi levado adiante mesmo depois da saída do Reino Unido da UE. O país era o mais cético sobre a ideia de uma aliança militar europeia. Londres negou apoio à PESC desde o início, o mesmo acontecendo com a Dinamarca e Malta.

    Por sua vez, a administração Biden está satisfeita com a atual situação. Neste ano, Washington inclusive, se juntou à iniciativa de transporte militar transfronteiriço da PESC (liderada pelos Países Baixos).

    Os norte-americanos estão tratando de apresentar o assunto como se a PESC não pudesse competir com a OTAN de maneira alguma.

    Enquanto isso, o porta-voz da Comissão Europeia para a Política Exterior , Peter Stano, afirmou que "dado que os referidos documentos são confidenciais e, inclusive classificados, não podem ser comentados publicamente".

    Mais:

    EUA e OTAN serão 'forças de ocupação' se permanecerem no Afeganistão após 11 de setembro, diz Talibã
    OTAN 'não traz qualquer estabilidade ao continente', diz Kremlin
    Possibilidade de sistemas antimísseis Patriot estarem associados à OTAN gera conflito na Suécia
    Tags:
    cooperação militar, cooperação, União Europeia, forças militares, militares, Exército
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar