14:09 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1136
    Nos siga no

    A Coreia do Sul testou, pela primeira vez, um míssil balístico lançado por submarino de uma barcaça submersa, enquanto a Marinha da República da Coreia se prepara para introduzir seu primeiro submarino da classe Dosan Ahn Changho.

    No momento, há poucos detalhes sobre o teste envolvendo o míssil balístico lançado por submarino (SLBM, na sigla em inglês) sul-coreano, contudo, a mídia local relatou que o teste marítimo do míssil foi realizado com sucesso.

    Ainda não está claro o tipo de míssil usado durante o teste, embora se saiba que foi lançado de uma barcaça submersa.

    De acordo com a agência de notícias Yonhap, os sul-coreanos estão desenvolvendo um SLBM, com um alcance de aproximadamente 500 quilômetros, que deve ser usado em submarinos da classe de três mil toneladas ou maiores.

    Os submarinos da classe Dosan Ahn Changho terão diversas melhorias, incluindo baterias de íons de lítio Samsung SDI. Além disso, ele está equipado com um sistema de lançamento vertical coreano que poderá transportar até dez mísseis de cruzeiro de ataque terrestre Chonryong e SLBM Hyunmoo.

    O Hyunmoo, baseado no Nike Hercules norte-americano, é o único míssil balístico com engenharia reversa da Coreia do Sul que foi implantado.

    A Coreia do Sul segue trabalhando em um programa de SLBM em meio às elevadas tensões com a Coreia do Norte nos últimos anos.

    O relato de um teste bem-sucedido sugere que o país está se juntando ao seleto grupo de países capazes de projetar e testar com êxito seus próprios SLBM.

    Mais:

    EUA e Coreia do Sul chegam a acordo para cancelar limitações de alcance de mísseis sul-coreanos
    Coreia do Sul usará inteligência artificial e drones para monitorar barcos chineses no mar Amarelo
    China diz não tolerar 'interferência externa' sobre Taiwan, após conversa entre EUA e Coreia do Sul
    Tags:
    submarino, submarinos, Coreia do Sul, míssil, testes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar