11:10 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1413
    Nos siga no

    Como referiu o Ministério da Defesa britânico, os mísseis atuais do país conseguem comunicar com a plataforma de lançamento, mas não com os outros mísseis.

    O Reino Unido vai investir 3,5 milhões de libras esterlinas (aproximadamente R$ 24,47 milhões) em "sistemas de mísseis mais inteligentes", informou na quinta-feira (1º) o Ministério da Defesa do Reino Unido.

    O objetivo do programa Demonstrador de Tecnologia de Armas de Ataque Cooperativo (CSWTD, na sigla em inglês) é "explorar como a comunicação intermíssil e comportamentos cooperativos podem ser tecnicamente alcançados para resolver os desafios militares do Reino Unido", explicou um dos cientistas do Laboratório de Tecnologia de Defesa Científica (Dstl, na sigla em inglês).

    "Aproveitando a experiência vital de nossos cientistas do Dstl, [os] novos e inovadores sistemas de mísseis melhorarão nossas capacidades atuais à medida que o [Ministério da] Defesa se adaptar para enfrentar futuras ameaças", comentou Jeremy Quin, vice-ministro da Defesa.

    Atualmente, os mísseis britânicos conseguem comunicar com a plataforma de lançamento, mas não entre si. O Ministério da Defesa do Reino Unido diz que explorará como não só criar comunicação intermíssil e melhorar o rendimento dos sistemas atuais, mas também "assegurar que eles possam reagir a uma ameaça ou situação em mudança à medida que ela surgir".

    O projeto, que começou em abril, também será financiado pelo Dstl. O desenvolvimento deve durar pouco mais de dois anos, e os militares britânicos esperam receber a tecnologia daqui a cinco anos.

    Mais:

    Força Aérea britânica acionará caças F-35B contra Daesh no Iraque e Síria
    Argentina protesta contra exercícios militares e testes de mísseis do Reino Unido nas Malvinas
    Reino Unido apresenta novo conceito de submarino híbrido (FOTO)
    Tags:
    Reino Unido, Ministério da Defesa, Ministério da Defesa do Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar