16:40 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    4555
    Nos siga no

    Quase 30 aeronaves chinesas, incluindo caças e bombardeiros com capacidade nuclear, entraram na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan na terça-feira (15), depois que os líderes do G7 emitiram uma declaração conjunta.

    A China não tolera a intervenção de forças estrangeiras em questões de Taiwan e tem que dar respostas fortes a tais atos de "conluio", disse o governo nesta quarta-feira (16), após a ilha ter relatado a maior incursão de aeronaves chinesas até o momento.

    No total, 28 aeronaves da Força Aérea chinesa, incluindo caças e bombardeiros com capacidade nuclear, entraram na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan na terça-feira (15), disse o governo da ilha reivindicada pelos chineses.

    O incidente ocorreu depois que os líderes do G7 emitiram uma declaração conjunta no domingo (13), repreendendo a China por uma série de questões e destacando a importância da paz e da estabilidade em todo o estreito de Taiwan, comentários que a China condenou como "calúnia".

    Reunião da cúpula do G7 em Cornualha, Reino Unido, em 12 de junho 2021
    © REUTERS / Leon Neal/Pool
    Reunião da cúpula do G7 em Cornualha, Reino Unido, em 12 de junho 2021

    Questionado em uma entrevista coletiva se a atividade militar estava relacionada ao comunicado do G7, Ma Xiaoguang, porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan da China, disse que o governo de Taiwan era o culpado pelas tensões. Pequim acredita que o governo da ilha está trabalhando com países estrangeiros para buscar a independência formal.

    "Nunca toleraremos tentativas de buscar independência ou intervenção arbitrária na questão de Taiwan por forças estrangeiras, então precisamos dar uma resposta forte a esses atos de conluio", disse Ma.

    Taiwan reclamou nos últimos meses das repetidas missões da Força Aérea da China perto da ilha, concentradas na parte sudoeste de sua zona de defesa aérea perto das ilhas Pratas, controladas por Taiwan. 

    No entanto, desta vez não apenas a aeronave chinesa voou em uma área próxima às Ilhas Pratas, mas os bombardeiros e alguns dos caças voaram ao redor da parte sul de Taiwan perto da extremidade inferior da ilha, de acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan.

    USS Nimitz (CVN 68) navega ao lado do porta-aviões destacado da Marinha dos EUA USS Ronald Reagan (CVN 76, não está na foto) no mar do Sul da China, 6 de julho de 2020
    © AP Photo / Kimani J. Wint / Marinha dos EUA
    Porta-aviões USS Ronald Reagan e USS Nimitz dos EUA no mar do Sul da China

    O sobrevoo aconteceu no mesmo dia em que a Marinha dos EUA disse que um grupo de porta-aviões liderado pelo USS Ronald Reagan havia entrado no disputado mar do Sul da China.

    "O grupo Ronald Reagan Strike não interagiu com nenhuma aeronave militar chinesa", o porta-voz do Carrier Strike Group 5, tenente comandante Joe Keiley disse em um comunicado por e-mail respondendo a perguntas sobre se a aeronave chinesa os abordou.

    Um alto funcionário familiarizado com o planejamento de segurança de Taiwan disse à Reuters que as autoridades acreditavam que a China estava enviando uma mensagem aos EUA enquanto o grupo transportador navegava pelo Canal de Bashi, que separa Taiwan das Filipinas e leva ao mar do Sul da China.

    "É uma intimidação estratégica dos militares dos EUA. Eles queriam que os Estados Unidos percebessem sua capacidade e que controlassem seu comportamento", alegou.

    Taiwan precisa, em particular, prestar atenção ao fato de que os militares da China começaram a conduzir exercícios na Zona de Identificação de Defesa Aérea do mar do Sul da China (ADIZ, na sigla em inglês), que engloba o sudeste de Taiwan, acrescentou a fonte.

    A costa leste de Taiwan possui duas grandes bases aéreas com hangares na encosta das montanhas para fornecer proteção no caso de um ataque chinês.

    Mais:

    China pede para Taiwan cessar confronto militar e insta EUA a cumprirem tratado assinado
    Forças especiais dos EUA poderiam ajudar Taiwan a resistir a uma invasão da China, sugere secretário
    Japão poderia defender Taiwan se Pequim tomar medidas, diz ex-oficial de Segurança dos EUA
    Tags:
    incursão, China, Taiwan, conluio, aeronave, Força Aérea Um
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar