13:46 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 510
    Nos siga no

    O Exército norte-americano aprovou um plano de longo prazo para projetar e desenvolver munições de alta precisão e longo alcance para seus futuros helicópteros.

    Estas munições, que podem custar ao país US$ 29,2 milhões (R$ 147,7 milhões), devem substituir o míssil Spike, fabricado pela empresa israelense Rafael, que foi apresentado como uma solução provisória.

    Este míssil tem um alcance de 30 quilômetros e foi testado em helicópteros de ataque Apache AH-64E. Na ocasião, os norte-americanos compraram 170 mísseis Spike por US$ 38,1 milhões (R$ 192,8 milhões) e planejam comprar outros 179 em 2022 por US$ 44,7 milhões (R$ 226,2 milhões).

    Agora, o Exército diz precisar de uma munição de maior alcance para os seus futuros helicópteros. Os novos mísseis serão fundamentais para atacar as linhas defensivas do inimigo a partir de posições fora do alcance dos radares adversários.

    "A aviação do Exército requer uma munição de precisão de longo alcance, que se integre com a plataforma de disparo e que seja um passo adiante nas fases de penetração e desintegração", segundo documentos citados pelo portal Defense News.

    Nos primeiros anos do programa, o Exército planeja realizar avaliações técnicas, estudo da tecnologia, projeto e desenvolvimento de engenharia, bem como testes e integração de hardware do protótipo.

    Apenas no último trimestre de 2022 será selecionado "um ou mais fornecedores" para aperfeiçoar e qualificar a munição, o que deverá ocorrer no quarto trimestre de 2023.

    A fase de desenvolvimento da munição durará até 2028, segundo os documentos.

    Mais:

    Hospitalizados 11 militares do Exército dos EUA por ingerirem líquido tóxico pensando que era álcool
    Coreia do Sul tem sua 1ª empresa participando de projetos em conjunto com Exército dos EUA
    Canhão do Exército dos EUA atinge alvo a 70 km durante testes
    Tags:
    EUA, Exército, helicóptero, helicópteros, mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar