06:13 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    101035
    Nos siga no

    Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse em uma entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag que vê a cooperação entre a China e a Rússia como uma ameaça para o Ocidente e um sério desafio para a Aliança Atlântica.

    De acordo com ele, é preciso enfrentar a nova era de concorrência do sistema global e estar preparado para se defender em caso de emergência.

    "A Rússia e a China têm cooperado cada vez mais estreitamente tanto política como militarmente. […] Ambos os países realizam manobras conjuntas, voos de aeronaves de combate de longo alcance e operações marítimas", afirmou Stoltenberg, ressaltando que os dois países estão cada vez mais coordenando suas ações no âmbito das organizações internacionais.

    Ante a evolução destas ameaças, a Aliança Atlântica pretende alargar o seu conceito de segurança.

    Na próxima cúpula da OTAN, que será realizada em 14 de junho em Bruxelas, será abordado o futuro programa de desenvolvimento da organização, destinado a responder "à mudança do balanço de poder e aos novos desafios no campo da segurança".

    Chanceler russo, Sergei Lavrov, e seu homólogo chinês, Wang Yi, durante visita de Lavrov à China
    © Sputnik / Ministério das Relações Exteriores da Rússia
    Chanceler russo, Sergei Lavrov, e seu homólogo chinês, Wang Yi, durante visita de Lavrov à China

    Stoltenberg destacou ainda que os "padrões tradicionais de dissuasão e defesa" devem ser adaptados ainda mais, porque há novos tipos de ameaças, incluindo a chamada guerra híbrida.

    Na semana passada, o secretário-geral da OTAN observou que a Aliança reconhece as mudanças no balanço de poder mundial como resultado da ascensão da China, o que, por sua vez, tem criado alguma ansiedade em questões de segurança, pelo que agora a Aliança Atlântica se tornou ainda mais importante para os EUA.

    Mais:

    Forças Armadas da Rússia tornarão fronteiras ocidentais 'insuperáveis' para OTAN, diz especialista
    Premiê britânico considera prioridade da OTAN combate às 'ameaças do leste'
    Aparecimento mais frequente de inteligência da OTAN em território da Noruega é um 'sinal à Rússia'
    Tags:
    Jens Stoltenberg, cooperação militar, China, Rússia, guerra híbrida, OTAN
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar