20:57 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2612
    Nos siga no

    O bombardeiro estratégico chinês Xian H-20 da próxima geração pode ter adotado um design de asa voadora furtiva que pode ajudá-lo a atingir alvos na segunda cadeia de ilhas e mais além, sugeriu analista após divulgação das imagens do avião.

    A segunda cadeia é composta pelas ilhas do Japão que se estendem até o território norte-americano no pacífico – Guam – e as ilhas da Micronésia.

    Elaboradas por computador, as imagens do design do bombardeiro chinês foram recentemente publicadas por uma revista controlada por uma corporação de defesa estatal chinesa, avança South China Morning Post.

    As imagens mostram que o bombardeiro, que deverá estar operacional no final da década de 2020, dará prioridade a furtividade e capacidade de voar por longas distâncias, aponta especialista.

    A mais recente edição da Modern Weaponry – uma revista mensal gerida pela Corporação das Indústrias do Norte da China (Norinco, na sigla em inglês) – divulgou quatro imagens criadas por computador do design do Xian H-20. O bombardeiro está em desenvolvimento há vários anos e suas fotos nunca foram oficialmente divulgadas.

    As fotos sugerem que a aeronave terá um compartimento de armas, duas asas de cauda ajustáveis, um radar aéreo na frente e duas entradas de ar furtivas em ambos os lados, sendo todo o avião revestido por um material cinzento escuro absorvente de ondas de radar.

    Informações anteriores alegavam que o H-20 seria equipado com mísseis nucleares e convencionais, e contaria com um peso máximo de decolagem de pelo menos 200 toneladas e capacidade te transportar carga útil de até 45 toneladas.

    Além disso, é esperado que o bombardeiro seja capaz de voar a velocidades subsônicas e potencialmente disparar quatro mísseis furtivos hipersônicos de cruzeiro.

    Especialista em aviões de guerra, Jon Grevatt percebeu que as imagens priorizaram a furtividade e a capacidade de voar por longas distâncias, e não a velocidade da aeronave.

    "Isso significa que o tipo estratégico de vantagens dessa aeronave é que ela será capaz de atacar como um bombardeiro estratégico, assim o [avião] poderá atingir alvos a uma longa distância, talvez a segunda cadeia de ilhas e além", sugeriu Grevatt.

    "Significa que [o H-20] ameaçaria os ativos e interesses dos EUA na Ásia-Pacífico. Se a aeronave se tornar operacional, ela tem o potencial de mudar as regras do jogo", acrescentou.

    Na política externa dos EUA, a segunda cadeia de ilhas inclui bases dos EUA no Japão, Guam, Filipinas e outros países. A terceira cadeia insular se estende ao Havaí e à costa da Austrália.

    Mais:

    Taiwan anuncia incursão de 20 aviões chineses em seu espaço aéreo em meio a tensões com Pequim
    Bases militares de Pequim no mar do Sul da China são vulneráveis a ataques inimigos, aponta mídia
    Força Aérea de Taiwan entra em ação após manobras militares chinesas no mar do Sul da China
    Tags:
    Ásia-Pacífico, EUA, tensões, bombardeiro nuclear, China, bombardeiro estratégico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar