15:04 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2713
    Nos siga no

    Navios de guerra "fantasmas" não tripulados podem em breve se tornar uma realidade, de acordo com os planos ambiciosos da Marinha Real do Reino Unido.

    As novidades vão desde drones que facilitam o reabastecimento de Royal Marines (fuzileiros navais) a barcos "não tripulados" capazes de se integrar com sucesso em missões com embarcações militares. A Marinha Real do Reino Unido tem empenhado esforços para trazer a mais recente tecnologia de ponta para a linha de frente e se adaptar aos desafios futuros.

    O projeto de um navio totalmente autônomo, armado com tecnologia de ponta, como lasers e mísseis guiados, sem a necessidade de operadores, pode estar em serviço já na próxima década. Fragatas, destróieres e outros navios de guerra poderiam ser substituídos por "embarcações letais não tripuladas de tamanho cada vez maior", afirmou o segundo lorde do mar, vice-almirante Nick Hine, na Conferência de Poder Marítimo deste ano.

    Um conjunto completo de gravações da Conferência de Poder Marítimo do primeiro lorde do mar desta semana está agora disponível para assistir no site do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

    Discursando na conferência da Marinha Real, Hine acrescentou que, "na verdade, queremos uma mistura de forças que inclua a força de ponta, bem como a de baixo custo, trabalhando em direção a um grande navio de guerra totalmente autônomo na próxima década".

    Os navios "fantasmas" do futuro usariam inteligência artificial para tomar decisões de missão. A referência a esses navios do futuro pelo bronze superior da Marinha provoca comparações com o misterioso "navio fantasma" Mary Celeste. O bergantim mercante anglo-americano foi descoberto à deriva no oceano Atlântico, nas ilhas dos Açores, em 4 de dezembro de 1872.

    4 de dezembro de 1872: O navio mercante Mary Celeste é descoberto à deriva na costa dos Açores, intacto, mas com toda a sua tripulação misteriosamente desaparecida

    'Projetando milhas elétricas de casa'

    Anteriormente, o secretário de Estado da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, fez um discurso de abertura na conferência, realizada em formato virtual e reunindo os principais tomadores de decisão do Reino Unido e internacionais, influenciadores e acadêmicos dos mundos marítimo e de defesa.

    Wallace elogiou os dois novos porta-aviões da Marinha, o HMS Prince of Wales e o HMS Queen Elizabeth. O segundo, outros oito navios e um submarino nuclear zarparam de Portsmouth no sábado (22) em uma viagem de sete meses até o mar das Filipinas a partir do Mediterrâneo, em linha com a recomendação do governo do Reino Unido de mudar o foco do país para o Indo-Pacífico onde a influência da China está crescendo.

    Marinha Real adota tecnologia de ponta

    Ressaltando a necessidade imperiosa de enfrentar "novas ameaças emergentes", a Marinha Real britânica tem se esforçado para trazer a tecnologia mais recente para a linha de frente. Além das tecnologias supracitadas, há ainda o recentemente revelado submarino autônomo e não tripulado.

    HMS Anson foi lançado para fora da área de construção marítima e baixado na água há quatro semanas. Vai passar cerca de um ano ao lado da doca Quay para a fase de teste e comissionamento, onde o reator é colocado em operação.

    Os movimentos e ações deste submarino serão regidos inteiramente por inteligência artificial.

    Mais:

    Marinha do Reino Unido reporta 'presença russa significativa' perto das águas britânicas
    Marinha Real britânica vai permanecer no Ártico para deter influência crescente da Rússia, diz mídia
    VÍDEO e FOTOS mostram 1ª fragata Type 26 da Marinha britânica
    Tags:
    navio fantasma, Reino Unido, Marinha Real britânica, navios de guerra, embarcação, defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar