23:55 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    241747
    Nos siga no

    A região de Kaliningrado é o posto avançado militar mais fortemente armado da Rússia. Porém, os EUA ainda têm um plano para derruba-lo destruí-la se essa necessidade surgir, escreve edição The National Interest.

    De acordo com o autor do artigo, David Axe, o exclave russo de Kaliningrado, localizado entre a Polônia e a Lituânia no mar Báltico e que está geograficamente separado do resto da Rússia, possui equipamento militar suficiente para começar uma briga e conta com sistemas de defesa antiaérea S-300 e S-400, mísseis antinavio Oniks e mísseis superfície-superfície Iskander.

    Devido a este potencial militar, esta região da Rússia representa uma ameaça para as tropas da OTAN "em um raio de centenas de quilômetros". A partir daqui Moscou pode ameaçar aviões, navios e forças terrestres da OTAN por centenas de quilômetros em todas as direções.

    Por isso, Washington está constantemente cogitando como "quebrar" esta região, disse o general Jeff Harrigian, comandante da Força Aérea dos EUA na Europa.

    "Nós treinamos para isso, pensamos sobre esses planos o tempo todo, e [...] se isso alguma vez se concretizar, estaremos prontos para executar", disse.

    De acordo com o general, "seria uma capacidade multidomínio, muito atempada e eficaz que conduziríamos para assegurar que teremos o acesso de que precisamos naquele ambiente", acrescentou.

    Treinamento conjunto de soldados dos EUA e estonianos na Polônia (foto de arquivo)
    Treinamento conjunto de soldados dos EUA e estonianos na Polônia (foto de arquivo)

    A jornalista Sydney Freedberg Jr. sugere que se trataria de um ataque simultâneo por terra, mar, ar e também no ciberespaço.

    Aviação, navios e submarinos atacarão com mísseis de cruzeiro de longo alcance. As forças terrestres também conduzirão lançamentos de mísseis. Os hackers seriam responsáveis por interromper o funcionamento dos sistemas de comunicação e, a seguir, caças e bombardeiros furtivos deverão romper as restantes estruturas defensivas e lançar bombas guiadas por GPS.

    Essa tática foi denominada por Freedberg de "uma única sinfonia de violência para quebrar as defesas avançadas".

    Anteriormente a mídia sueca escreveu que Rússia teria vantagens sobre a Aliança Atlântica em caso de um conflito devido a uma localização terrestre vantajosa na região do mar Báltico e grande quantidade de sistemas antiaéreos e de artilharia, notando ainda que os armamentos dos países-membros da OTAN, tais como a Alemanha, Polônia e Reino Unido, apesar de sua quantidade, estão em condições insatisfatórias.

    Mais:

    MRE da Rússia: atividade russa no Ártico é 'válida e legítima' e a da OTAN gera questões
    'Preparo para ofensiva': exercícios da OTAN perto da fronteira russa são provocação, diz analista
    OTAN treina ataques contra Rússia e Belarus em voos recentes de seus bombardeiros, diz Minsk
    Tags:
    EUA, OTAN, conflito armado, fronteiras russas, S-400, ataque aéreo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar