07:54 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    534
    Nos siga no

    A Força Aérea norte-americana (USAF, na sigla em inglês) testou o caça F-15 conduzindo um ataque eletrônico para abrir caminho para o caça furtivo F-35.

    Com isso, a USAF revelou como a frota de F-15 pode atuar em coordenação com os caças furtivos para conduzir um ataque aéreo profundo contra território inimigo.

    Durante o teste, realizado no dia 14 de maio, o caça F-15 usou o sistema de alerta e sobrevivência passivo/ativo Eagle (EPAWSS, na sigla em inglês) como tática para minimizar as emissões eletrônicas do F-35, elevando sua capacidade furtiva e permitindo que a aeronave chegasse mais próximo do adversário.

    "Nós estamos tentando descobrir como plataformas de quarta e quinta gerações podem beneficiar uma a outra para podermos nos aproximar do adversário", afirmou Scott Portue, piloto de caça F-35 do 422º Esquadrão de Teste e Avaliação.

    O sistema de alerta e sobrevivência passivo/ativo Eagle (EPAWSS, na sigla em inglês) é projetado para monitorar, rastrear e identificar ameaças, como mísseis guiados por radar, no espaço aéreo contestado, servindo como um sistema de autoproteção que pode ser utilizado para apoiar os caças de quarta e quinta gerações efetivamente.

    Ou seja, o sistema EPAWSS coleta dados das emissões eletrônicas conhecidas das armas e sensores adversários para identificar e, então, conter as ameaças.

    Sendo assim, o sistema foi utilizado pelo caça F-15 para apoiar o ataque profundo dos caças F-35, mostrando mais uma vez a aposta norte-americana em um "velho conhecido" como o F-15 para preencher as lacunas do caça de quinta geração F-35.

    Mais:

    Japão decide adiar modernização de seus caças F-15 com mísseis de cruzeiro americanos
    Caça F-15 dos EUA perde peça durante exercício no Japão
    Piloto de F-15 revela à mídia americana combate contra caça soviético MiG-23 durante Guerra Fria
    Tags:
    sistemas, teste, eua, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar