07:24 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    126
    Nos siga no

    O satélite se junta a quatro outros satélites SBIRS GEO estacionados em órbitas geossíncronas equatoriais. A Força Espacial dos EUA pretende lançar ainda um sexto satélite SBIRS GEO.

    A companhia United Launch Alliance (ULA) lançou com sucesso um foguete Atlas V ao espaço na terça-feira (18), que leva o quinto satélite do Sistema Infravermelho com Base no Espaço (SBRIS GEO 5, na sigla em inglês) da Força Espacial dos EUA.

    Construído pela empresa Lockheed Martin, o satélite de US$ 1 bilhão (aproximadamente 5,26 bilhões) foi projetado para detectar e rastrear plumas produzidas por lançamentos de mísseis em todo o mundo com a ajuda de seus sensores infravermelhos a bordo, relata o portal Space. As capacidades do SBRIS GEO 5 permitirão que os EUA e países aliados se preparem para qualquer ataque iminente, disseram oficiais da ULA.

    Empreendimento conjunto entre Boeing-Lockheed Martin e ULA lança satélite SBIRS GEO 5 de detecção de mísseis da Força Espacial dos EUA: este é o primeiro lançamento de foguete do Atlas V de ULA em seis meses e o segundo lançamento [da companhia] este ano.

    ​O satélite se junta a quatro outros satélites SBIRS GEO estacionados em órbitas geossíncronas equatoriais e quatro instrumentos SBIRS que monitoram as regiões polares de órbitas elípticas de alta altitude. A Força Espacial dos EUA pretende lançar ainda um sexto satélite SBIRS GEO, completando assim a constelação construída pela Lockheed Martin, relata a mídia.

    Sistemas SBRIS são críticos

    O foguete de dois estágios Atlas V foi lançado do Complexo de Lançamento Espacial 41, na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, EUA. O Atlas V vai depositar o satélite em uma órbita que varia em altitude entre 925 quilômetros e 35.753 km, com um ângulo de inclinação de 21,14 graus em relação ao equador.

    Dessa posição, o SBIRS GEO 5 navegará até uma órbita circular sobre o equador a uma altitude de quase 35.900 km acima da Terra. Dessa posição orbital, o satélite terá uma visão constante da mesma parte do nosso planeta.

    "A necessidade de sistemas SBIRS nunca foi tão crítica […]. A ameaça da tecnologia de mísseis balísticos está se espalhando pelo mundo", afirma Tom McCormick, gerente do programa SBIRS da Lockheed Martin, citado pela mídia.

    Os satélites SBIRS detectaram e rastrearam mais de mil lançamentos de mísseis em todo o mundo em 2020, de acordo com McCormick.

    Mais:

    Energia escura não existe? Cientistas apresentam modelo alternativo da composição do Universo
    Da Terra para o Universo: mídia americana explica como China poderia ultrapassar NASA no futuro
    Nova 'janela' para observar lado oculto do Universo magnetizado é revelada
    Telescópio da NASA pode desvendar mistérios sobre 'idade das trevas' do Universo (FOTOS)
    Tags:
    míssil, Força Espacial Militar dos Estados Unidos, EUA, satélites, satélite
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar