07:20 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7276
    Nos siga no

    O baixo orçamento no setor de defesa dos EUA pode provocar o colapso norte-americano em caso de grande conflito militar, segundo a revista The National Interest.

    Isso porque o estado das Forças Armadas dos EUA é preocupante, pois a maioria dos equipamentos militares está ultrapassada, sendo insuficientes para entrar em um conflito, indicou Dakota Wood, especialista militar dos Programas de Defesa da Fundação Heritage.

    "A maioria dos equipamentos militares foi adquirida nas décadas de 1980 e 1990. A Marinha foi reduzida quase que pela metade em relação há 30 anos [...]. O Exército não tem unidades suficientes para cumprir as exigências", explicou.

    Wood também observou que os "adversários" norte-americanos fizeram grandes investimentos em defesa, contando com novos equipamentos etecnologias avançadas nos últimos 20 anos.

    Os EUA também estariam preocupados sobre o enfraquecimento dos exércitos de seus aliados, tornando estas forças incapazes de apoiar os norte-americanos em caso de necessidade, segundo a revista.

    "Por exemplo, se a China e os EUA iniciarem um conflito por causa de Taiwan, e a China vencer, é pouco provável que Pequim dê tempo para os Estados Unidos se recuperarem para um segundo conflito, e o mesmo acontecerá em um conflito com Irã ou Rússia", concluiu.

    Wood enfatizou que a administração Biden e a maioria democrata no Congresso estão completamente enganadas se pensam que os adversários vão esperar os Estados Unidos resolver seus problemas internos, bem como modernizar seus equipamentos militares.

    Mais:

    Almirante reforça 'temor e paranoia' dos EUA ao ponderar nova era de aniquilação nuclear
    Marinha dos EUA testa novo míssil guiado AARGM-ER em caça supersônico Super Hornet (FOTO)
    China responsabiliza EUA por aumento de ataques no Afeganistão, após incidente em escola
    Tags:
    conflito, equipamentos militares, vulnerabilidade, Exército, eua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar