17:13 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3333
    Nos siga no

    Os voos de aviões da Força Aeroespacial da Rússia ao largo da costa do Alasca estão se tornando um problema para os pilotos americanos. No entanto, os EUA reconhecem que as aeronaves russas têm o pleno direito de estar na zona tampão.

    Segundo revela a Popular Mechanics, se em 2015 foram registradas dez interceptações de aeronaves russas ao largo da costa do Alasca, em 2020 elas já foram 60.

    Porém, os aviões russos não se aproximam do espaço aéreo do estado norte-americano do Alasca. Mesmo assim, os militares da Força Aérea dos EUA presentes lá devem sempre reagir a estes eventos, o que obriga a acionar várias aeronaves, desde caças F-22 a aviões de reabastecimento, para acompanhá-los.

    A Força Aérea americana monitora a Zona de Identificação de Defesa Aérea (ADIZ, na sigla em inglês) do Alasca como parte da Operação Águia Nobre.

    Na sequência dos acontecimentos de 11 de setembro de 2001, esta operação lida com todas as missões de defesa aérea e soberania aérea sobre o espaço aéreo norte-americano, inclusive respondendo a sequestros aéreos e vigiando a fronteira aérea dos EUA a fim de evitar possíveis intrusões.

    A ADIZ do Alasca é uma vasta zona tampão que se estende por milhares de milhas quadradas e este espaço aéreo não é soberano. Sendo assim, os aviões russos podem voar lá legalmente.

    Dois aviões russos Tu-142 (arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Danichev
    Dois aviões russos Tu-142 (arquivo)

    Uma aeronave estrangeira não será considerada invasora se passar a mais de 12 milhas marítimas do território dos EUA. Por outro lado, cada avião russo é uma fonte de preocupações para os militares dos EUA, pois ao estar na zona tampão tal avião "se quiser" pode muito rapidamente entrar no espaço aéreo do Alasca.

    O artigo aponta que, pelo visto, muitas das missões de aeronaves russas neste território são voos de treinamento, já que aqui a distância entre a Rússia e os EUA é muito pequena.

    Mas os caças furtivos F-22 Raptor têm que responder na mesma. Normalmente os pilotos russos realizam voos em bombardeiros Tu-95, aviões antissubmarino Il-38 e Il-38N modernizados e caças Su-35.

    Mais:

    Caça russo MiG-31 levanta voo para acompanhar avião espião RC-135 dos EUA (VÍDEO)
    EUA se preparam para 'guerra no Ártico' após enviarem vários bombardeiros para a região, diz portal
    Relatório: testes de integração de sistemas de interceptação de mísseis falham por 2 vezes nos EUA
    Tags:
    Rússia, bombardeiro estratégico, Força Aérea dos EUA, Alasca, caças russos, interceptação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar