20:48 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2625
    Nos siga no

    General John Raymond, chefe das Operações Espaciais da Força Espacial dos EUA, advertiu que o espaço tem se tornado um "domínio de guerra", tal como o ar, terra e mar, e o recém-criado ramo militar enfrenta novos desafios e ameaças.

    Em entrevista ao jornal The Washington Post, John Raymond afirmou que a China, que anteriormente foi denominada de "ameaça progressiva", e a Rússia desenvolveram "armas que podem perturbar o funcionamento de nossos satélites ou destruir nossos satélites, a partir do solo ou no espaço ou no ciberespaço".

    "É algo que tem se materializado aqui ao longo dos últimos poucos anos", comentou o general.

    "Nossa visão é que, embora seja um domínio de guerra, nosso objetivo não é iniciar um conflito que comece ou alastre no espaço. Nosso objetivo é impedir que isso aconteça", ressaltou.

    O general opinou sobre o recente relatório anual de avaliação de ameaças, publicado em 13 de abril pelo Escritório da Diretora de Inteligência Nacional (ODNI, na sigla em inglês) e que aponta que a "China já implantou mísseis terrestres destinados a destruir satélites em órbita terrestre baixa e lasers terrestres ASAT [armas antissatélite] provavelmente destinados a cegar ou danificar sensores ópticos espaciais sensíveis em satélites em orbita terrestre baixa".
    Foguete Long March-5B Y2, transportando o principal módulo da estação espacial Tianhe, da China
    © REUTERS / China Daily
    Foguete Long March-5B Y2, transportando o principal módulo da estação espacial Tianhe, da China

    Concordando com o relatório, John Raymond disse que todo o espectro de ameaças varia de "bloqueio reversível de satélites de comunicações e satélites GPS" a lasers que estão sendo ostensivamente utilizados para cegar ou ofuscar os satélites dos EUA.

    "Nosso objetivo é deter isso […] todo o peso da Força Conjunta será empregado para ser capaz de impedir que o conflito aconteça", declarou.

    Enfatizou-se ainda que o satélite chinês Shijian 17 possui um braço robótico que pode alcançar e agarrar outros satélites.

    Mais:

    EUA estão desenvolvendo míssil capaz de derrubar satélites de navegação, diz especialista russo
    Militares dos EUA pediram maior acesso a informações de inteligência sobre Rússia e China, diz mídia
    'Aliança de ferro': presidente da Coreia do Sul terá 1º encontro com Biden
    Tags:
    satélite militar, Inteligência Nacional dos EUA, Força Espacial Militar dos Estados Unidos, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar