13:57 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    17738
    Nos siga no

    No vídeo de animação recém-publicado, um drone turco Akinci destrói um alvo parecido com o sistema móvel russo de artilharia antiaérea Pantsir-S1.

    A empresa de defesa turca Roketsan publicou um vídeo animado no qual o novíssimo drone Akinci, que está sendo desenvolvido na Turquia, destrói um alvo parecido com o sistema móvel russo de artilharia antiaérea Pantsir-S1.

    Em um vídeo animado no Twitter postado pela Roketsan, um drone turco equipado com "bombas inteligentes" MAM-T atinge um alvo semelhante ao sistema Pantsir-S1 no deserto. Antes, a Roketsan informou sobre o primeiro teste bem-sucedido dessas munições guiadas.

    Anteriormente, a assessoria de imprensa do principal fabricante de drones turcos, a empresa Baykar, afirmou à Sputnik que a Ucrânia já comprou drones de ataque turcos Bayraktar.

    Segundo disse o especialista militar Viktor Murakhovsky à Sputnik, um dos objetivos da viagem do presidente ucraniano Vladimir Zelensky à Turquia em 10 de abril poderia ter sido a tentativa de comprar drones de ataque Akinci para a Ucrânia. Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, informou que seu país vende drones de ataque à Ucrânia sem condições prévias, mas que o negócio não é dirigido contra a Rússia.

    O Pantsir-S1 é um sistema móvel russo de artilharia antiaérea armado com mísseis terra-ar, produzido na cidade de Tula, Rússia. O sistema de mísseis foi desenvolvido para proteger instalações civis ou militares de ataques aéreos.

    Mais:

    'B-21 norte-americano já ficou para trás' afirma empresa chinesa ao lançar drone furtivo mais barato
    Irã mostra drone 'suicida' destruindo alvo (VÍDEOS)
    China apresenta seu novo drone pesado de ataque Feilong-2 (FOTOS)
    Controle de rede de drones: fonte revela futura capacidade dos caças Su-57 de 5ª geração da Rússia
    Tags:
    Turquia, drone, Pantsir S-1, Rússia, vídeo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar