03:10 28 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1616
    Nos siga no

    Após testes concluídos em março, Israel começa a vender e a exportar o míssil de defesa antiaérea que protege contra aviões, mísseis de cruzeiro e outras ameaças aéreas.

    Nesta terça-feira (19), a empresa Indústrias Aeroespaciais de Israel (IAI, na sigla em inglês) começou a produção do míssil de defesa antiaérea de longo alcance Barak ER. O sistema oferece defesa contra foguetes, mísseis de cruzeiro e aeronaves, reporta o jornal israelense Globes.

    ​00:01:19 para tentativas bem-sucedidas. 00:00:31 lobo selvagem no sul de Israel. O Barak ER da IAI em testes bem-sucedidos provando que pode atingir 150 km e interceptar mísseis balísticos. O IAI já iniciou o processo de atendimento ao cliente para atender à demanda do Barak ER.

    Sendo parte da família de interceptores Barak da empresa, o novo míssil é lançado verticalmente e inclui um motor de foguete, um impulsionador e um localizador de radar. O alcance foi estendido e pode eliminar ameaças aéreas a uma distância de 150 quilômetros.

    "As vendas para o exterior já chegaram a US$ 7 bilhões [cerca de R$ 38,8 bilhões] e espera-se que os pedidos cresçam devido às características exclusivas do sistema", segundo o diretor-geral da IAI, Boaz Levy, citado pela mídia.

    No final de março, a IAI divulgou uma série de testes de fogo, concluídos com sucesso, do novo míssil de defesa antiaérea de longo alcance.

    A IAI é a maior empresa aeroespacial e de defesa de Israel, desenvolvendo e fabricando sistemas avançados para segurança aérea, espacial, marítima, terrestre, cibernética e interna.

    Mais:

    Grécia e Israel assinam maior acordo bilateral de defesa, informa Reuters
    Israel está preocupado com EUA querendo 'retornar ao acordo nuclear a qualquer custo'
    Israel plagia tecnologias russas de desenvolvimento de drones, afirma engenheiro-chefe
    Tags:
    Israel, interceptor, Indústrias Aeroespaciais de Israel (IAI)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar