05:44 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1350
    Nos siga no

    Ministério da Defesa da Rússia está trabalhando no projeto de criação de um veículo aéreo não tripulado e um sistema de controle para combater submarinos.

    Atualmente, estão sendo estudadas plataformas para desenvolvimento deste tipo de veículos aéreos, afirmou uma fonte do Ministério da Defesa da Rússia ao jornal Izvestia.

    Para combater submarinos, planeja-se usar pesados drones equipados com meios de detecção de submersíveis e armas antissubmarino. Destaca-se que vários veículos aéreos não tripulados unidos em uma rede seriam capazes de conduzir missões de busca de adversário.

    Planeja-se que estes drones possam ser lançados de aeródromos ou navios, e ser operados a partir de postos de comando aéreos e de navios. Aparelhos serão elaborados com uso ativo de elementos de automação e de inteligência artificial.
    Submarino USS Toledo da Marinha dos EUA
    Submarino USS Toledo da Marinha dos EUA

    Os veículos aéreos não tripulados serão capazes de atingir alvos com armamento próprio ou dar orientações aos outros sistemas de armas antissubmarino para conduzir ataques.

    De acordo com o historiador militar Dmitry Boltenkov, é necessário que um drone destinado a combater submarinos tenha um grande alcance de voo e consiga permanecer no ar por muito tempo.

    Além disso, Boltenkov nota que, para buscar submarinos, o veículo aéreo deve ser capaz de lançar boias hidroacústicas e receber sinais emitidos por elas para, em seguida, analisá-las ou enviar dados a aeronaves especiais Il-39 ou Tu-142.

    Mais:

    Drone da Força Aérea dos EUA surge em praia da Flórida (FOTOS, VÍDEO)
    'Mais complexo que um caça': piloto revela como operar drone de ataque russo Okhotnik
    Turquia trabalha no desenvolvimento de novos drones e de caça com inteligência artificial
    Tags:
    drones, veículo aéreo não tripulado, Marinha da Rússia, antissubmarino, tecnologia militar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar