09:29 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    9324
    Nos siga no

    Autoridades de defesa de Taiwan acusaram China de lançar um sobrevoo militar massivo através de seu espaço aéreo no qual também foram utilizados bombardeiros de capacidade nuclear.

    Nesta sexta-feira (26), o Ministério da Defesa de Taiwan informou que colocou de prevenção mísseis para "monitorar a atividade" na parte sudoeste de sua zona de identificação de defesa aérea. Além disso, a entidade militar indicou que seus aviões advertiram as 20 aeronaves chinesas por rádio.

    Alguns dos aviões chineses voaram no espaço aéreo ao sul de Taiwan e passaram pelo canal de Bashi que separa a ilha das Filipinas, informou o ministério.

    Segundo Taipé, na missão foram envolvidos quatro bombardeiros com capacidade nuclear H-6K, dez caças J-16 e dois aviões Y-8 de guerra antissubmarino, entre outras aeronaves.

    A China, que reivindica Taiwan como parte de seu território, ainda não respondeu às acusações.

    Anteriormente, o ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, disse que o país estava desenvolvendo mísseis de longo alcance capazes de atingir alvos na China continental.

    As tensões entre ambas as partes aumentaram consideravelmente nas últimas semanas, alimentadas pelo contínuo envolvimento dos EUA na região.

    Vale ressaltar que na sexta-feira (26) Taiwan e EUA assinaram seu primeiro acordo sob a administração Biden, criando um grupo de trabalho de guarda costeira a fim de forjar uma parceria mais forte, após Pequim ter aprovado uma lei que permite a sua Guarda Costeira disparar contra navios estrangeiros.

    Mais:

    Um piloto morto, outro desaparecido após colisão de caças F-5E no céu de Taiwan
    Satélite revela que Pequim ampliou recife em região disputada do mar do Sul da China
    Almirante americano acredita que China possa invadir Taiwan mais rápido do que esperado, diz mídia
    Tags:
    tensão militar, bombardeiro nuclear, avião mlitar, China, Estreito de Taiwan, incursão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar