13:54 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1550
    Nos siga no

    Os aviões Tu-214ON, que foram usados para cumprimento do Tratado de Céus Abertos, agora estão sendo reconvertidos para reconhecimento militar, relata desenvolvedor de equipamentos para eles.

    As aeronaves de observação russas Tu-214ON, anteriormente usadas para voos internacionais abrangidos pelo Tratado de Céus Abertos, estão sendo reconvertidas para aviões de reconhecimento militar, informou Vladimir Verba, projetista principal do consórcio de produção eletrônica Vega, que desenvolve equipamentos para esses aviões e faz parte da holding russa Roselectronics, em entrevista à Sputnik.

    Na opinião de Verba, os sistemas instalados a bordo dos aviões têm capacidades únicas na área de monitoramento aéreo.

    "Sem dúvida, eles serão úteis para as Forças Armadas [da Rússia] em uma ampla gama de tarefas, por exemplo, para controlar a visibilidade das tropas e instalações, mapeamento e avaliação da situação do gelo."

    "Além do equipamento de fotografia aérea, tem equipamentos de vigilância adicionais, radar de varredura lateral e equipamento de TV e infravermelho. A estrutura do radar tem prevista a capacidade de se aumentar sua resolução em quatro a seis vezes", detalha o projetista principal.

    Avião de reconhecimento russo Tu-124ON criado para sobrevoar territórios dos países-membros do Tratado de Céus Abertos
    Avião de reconhecimento russo Tu-124ON criado para sobrevoar territórios dos países-membros do Tratado de Céus Abertos

    Especialistas em aeronáutica apontam que é fácil continuar a alterar os aviões para atender a novos requisitos sem grandes custos extra.

    Além disso, os Tu-214ON podem ser usados para monitorar a segurança das instalações militares na Rússia, avaliar os resultados dos testes de várias armas e a eficácia de manobras militares.

    A aviação de reconhecimento tem um papel preponderante hoje, disse Vladimir Popov, piloto emérito da Rússia e especialista militar, referindo como exemplo a Operação Tempestade no Deserto, parte da Guerra do Golfo de 1990-1991, na qual os norte-americanos reduziam deliberadamente a precisão do sistema de navegação GPS através de desvios manuais deliberados dos indicadores reais.

    Como resultado, os militares iraquianos falhavam constantemente a pontaria mira dos mísseis táticos.

    Voos dos Tu-214ON

    Um dos Tu-214ON já verificou a camuflagem das instalações militares ao longo das costas da Crimeia e da região Krasnodar e testou a capacidade do sistema de defesa antiaérea de detectar alvos aéreos em modo de localização passiva.

    Tupolev Tu-214R
    © Foto / Wikipedia/Rimma Sadykova
    Tupolev Tu-214R

    Os EUA anunciaram a saída do Tratado de Céus Abertos em maio de 2020, o que levou a Rússia a abandonar também o acordo. Moscou tinha colocado ao serviço da Força Aeroespacial da Rússia os dois aviões Tu-214ON em 2011 e 2013, respectivamente, alguns anos depois eles passaram por certificação internacional.

    Após repetidas recusas por parte de Washington de autorizar os voos, uma das aeronaves realizou seu único voo sobre os EUA, ao abrigo do acordo internacional, em abril de 2019. Após decolar do aeródromo de Rosecrans, ele sobrevoou os estados do Colorado, Novo México e Texas. A Rússia inspecionou várias instalações militares importantes: o campo de testes de mísseis de White Sands, a base de Fort Bliss, os laboratórios nacionais de Sandia e Los Alamos e o armazém químico de Pueblo.

    Mais:

    Tratado dos Céus Abertos 'não tem utilidade real' sem Rússia e EUA, dizem especialistas dos EUA
    EUA saem hoje do Tratado de Céus Abertos, Rússia buscará que outros participantes cumpram o acordo
    Donald Trump confirma saída dos Estados Unidos do Tratado de Céus Abertos
    O que viu o avião de reconhecimento russo ao sobrevoar EUA? (FOTOS)
    Tags:
    Krasnodar, Crimeia, Força Aeroespacial da Rússia, Força Aeroespacial, Tu-214ON, Tratado de Céus Abertos, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar