21:03 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3613
    Nos siga no

    As forças e meios da Unidade do Exército na península da Crimeia são capazes de rastrear e, se necessário, suprimir voos dos bombardeiros estratégicos B-52 dos EUA vindos do território da Ucrânia, afirmou o ex-comandante do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.

    Em uma mesa-redonda no Conselho da Federação da Rússia, o general do Exército Yuri Baluevsky, que já comandou o Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, disse que recentemente bombardeiros B-52 dos EUA em treinamentos no espaço aéreo ucraniano "praticaram uma simulação de ataques com armas nucleares".

    "Hoje, ontem e amanhã, as capacidades das tropas e forças na Crimeia permitem analisar, monitorar e executar ações preliminares de verificação, prevenção e, se necessário, supressão destas ações", ressaltou Baluevsky.

    Segundo o general Baluevsky, a Crimeia é o controle superficial, subaquático e aéreo da situação. "É também o controle do acesso de embarcações e navios estrangeiros ao mar de Azov. É também a conservação da nossa rota marítima mais curta para a Marinha da Rússia em uma região estrategicamente importante – o Mediterrâneo", acrescentou.

    Um bombardeiro B-52 Stratofortress da Força Aérea dos EUA se afasta de um KC-135 da 100ª Ala de reabastecimento aéreo, no Reino Unido, após receber abastecimento durante uma missão do bombardeiro estratégico no dia 7 de maio de 2020
    Um bombardeiro B-52 Stratofortress da Força Aérea dos EUA se afasta de um KC-135 da 100ª Ala de reabastecimento aéreo, no Reino Unido, após receber abastecimento durante uma missão do bombardeiro estratégico no dia 7 de maio de 2020
    "Para nós, a Crimeia é a cabeça de ponte da defesa das fronteiras do sul, e claramente nos permite aperfeiçoar a nossa infraestrutura de defesa nesta área", concluiu Baluevsky.

    Vale ressaltar que no ano passado dois bombardeiros estratégicos B-52H capazes de carregar e lançar bombas atômicas se aproximaram da Crimeia a partir do território da Ucrânia, sobrevoando a região a apenas 25 quilômetros da península russa.

    Mais:

    'Preparado para combate contra qualquer um': especialista dos EUA indica vantagens do caça Su-57
    MRE russo: instalação de mísseis dos EUA na Ásia-Pacífico levaria a nova 'corrida armamentista'
    General dos EUA: novas armas russas complicam capacidade norte-americana de detectá-las
    Tags:
    bombardeiro estratégico, B-52, Crimeia, sistema de defesa antiaéreo, fronteiras russas, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar