03:54 19 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0242
    Nos siga no

    A construção das instalações de produção de fuzis de assalto russos Kalashnikov na Venezuela deverá ser concluída até o final deste ano. Mas, por causa da pandemia, a transferência das fábricas ocorrerá, provavelmente, apenas em 2022.

    O contrato para a construção dessas fábricas foi assinado ainda em 2001. No entanto, devido a uma série de sanções impostas pelos Estados Unidos à Venezuela e, agora, ao surto do novo coronavírus, as obras acabaram sendo adiadas. 

    ​"De acordo com o cronograma de obras, a transferência desse objeto para o cliente estava prevista para o final de 2021. No entanto, a pandemia e o lockdown interferiram. Portanto, muito provavelmente, as datas de transferência das usinas serão adiadas até 2022. No momento, tudo depende do lado venezuelano: quanto mais cedo o lockdown for cancelado, mais cedo o trabalho será concluído", disse à Sputnik uma fonte da esfera de cooperação técnico-militar da Rússia. 

    Cerca de 100 engenheiros e técnicos russos estão envolvidos na construção das fábricas de Kalashnikov na Venezuela. Outros dois grupos de especialistas russos deverão ainda viajar para o país sul-americano para ajudar nas obras assim que as restrições ligadas à COVID-19 forem suspensas.

    Existem atualmente duas fábricas de Kalashnikov em construção na Venezuela, que estão cerca de 70% concluídas.

    Mais:

    'Surpresa de Natal': mídia britânica destaca novo míssil do Kalashnikov
    Kalashnikov recebe primeiras encomendas de fuzis AK-19 adaptados para cartuchos da OTAN
    'Confiável e eficaz': infectologista austríaco compara vacina Sputnik V com fuzil Kalashnikov
    Tags:
    Kalashnikov, Venezuela, Rússia, pandemia, COVID-19, fábrica, construção, obras, 2022
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar