03:40 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    11532
    Nos siga no

    O Irã continua investindo pesado para reforçar a defesa do espaço aéreo iraniano contra aeronaves hostis, bem como para alcançar superioridade aérea na região.

    Diante das elevadas tensões e da dificuldade de importar aeronaves de combate modernas devido a uma série de restrições políticas e econômicas, o Irã investiu no desenvolvimento de seus próprios caças.

    De acordo com a revista norte-americana Military Watch, a República Islâmica testou seu caça furtivo de quinta geração Qaher-313, uma plataforma experimental revelada pela primeira vez em 2013 e modificada por diversas vezes nos últimos anos.

    O desenvolvimento do caça pesado Qaher-313 ocorreu após o sucesso do caça leve Koswar, que entrou em serviço na Força Aérea do Irã em 2020.

    Irã lança produção em série do caça Kowsar
    © CC BY 4.0 / Tasnim News Agency / (cropped photo)
    Irã lança produção em série do caça Kowsar

    Além do caça de quinta geração, o avião Saeqeh, que entrou em serviço em 2007, também chama atenção, demonstrando que o Irã conseguiu avançar consideravelmente no que diz respeito a aviônica, radares e tecnologias de mísseis. A aeronave também possui uma configuração de cauda dupla e desempenho semelhante ao do F-18 Hornet, dos EUA.

    Apesar das semelhanças entre os dois caças, o F-18 leva vantagem devido ao acesso a armamentos mais avançados e de longo alcance, contudo, o Irã conta com os avançados caças Kowsar de produção nacional, e já está desenvolvendo um caça pesado que promete ter um papel fundamental no país, podendo deixar os caças norte-americanos para trás.

    Mais:

    Forças de Defesa de Israel atualizam plano para possível ataque a instalações nucleares do Irã
    Irã afirma que impediu sequestro de voo doméstico
    Reino Unido, França e Alemanha abandonaram plano de criticar Irã em reunião da AIEA, diz mídia
    Tags:
    Força Aérea, Irã, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar