20:42 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7103
    Nos siga no

    Documento revelado por jornal alemão afirma que "a China cada vez mais supera a Rússia em termos de influência global, inclusive quando se trata de venda de armas e cooperação militar".

    Especialistas do Ministério da Defesa alemão alertam sobre uma ameaça crescente representada por reivindicações de poder e novas capacidades militares da China e da Rússia em um documento interno que o jornal Welt am Sonntag teve acesso.

    O objetivo de Pequim, de acordo com este relatório, é "assegurar o desenvolvimento econômico e moldar a ordem internacional de acordo com seus próprios interesses". Moscou, por sua vez, buscaria a "desestabilização e o enfraquecimento da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte]".

    Os autores do documento também frisam que "a China cada vez mais supera a Rússia em termos de influência global, inclusive quando se trata de venda de armas e cooperação militar".

    Submarino nuclear da China (imagem de arquivo)
    © AFP 2021
    Submarino nuclear da China (imagem de arquivo)

    A China tem dois milhões de soldados, cerca de 6.850 tanques e 1.600 aeronaves de combate, além de capacidades nucleares em constante expansão. Pequim conta também com o maior arsenal de mísseis convencionais do mundo, que inclui mísseis hipersônicos com alcance de até 2.500 quilômetros.

    Mas o Ministério da Defesa alemão estaria particularmente preocupado com os mísseis de longo alcance, "hipersônicos, de alta precisão e difíceis de interceptar" da Rússia, bem como com os grandes investimentos em capacidades para uma resposta em forma de ataque nuclear a partir do mar e a modernização prioritária do potencial de armas nucleares.

    Fragata Admiral Gorshkov realizando disparo de míssil hipersônico Tsirkon
    © Sputnik / Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia
    Fragata Admiral Gorshkov realizando disparo de míssil hipersônico Tsirkon

    O documento indica que Moscou tem cerca de 6.375 ogivas nucleares e cerca de 840 mil soldados bem treinados que podem ser rapidamente realocados. Entre os pontos fracos, o Ministério alemão apontou as capacidades navais comparativamente limitadas da Rússia e a escassez de drones de combate.

    Em 3 de fevereiro entrou em vigor a prorrogação do Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START) por cinco anos. O Tratado confirma os compromissos de Moscou e de Washington de cumprir suas obrigações de desarmamento no Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

    No ano passado, a China recusou a proposta dos EUA de entrar em um tratado trilateral de controle de armas junto com a Rússia, alegando que seu arsenal nuclear está longe de ser equivalente ao de Washington e Moscou.

    Mais:

    Progresso diplomático na promoção de vacinas da Rússia e China 'preocupa' EUA
    Macron teme que África compre vacinas de Rússia e China se EUA e Europa demorarem para agir
    Especialista: ao incentivar Rússia e China a se unirem, EUA criam rival invencível
    ONU: sanções dos EUA contra Rússia e China violam direitos humanos e pactos internacionais
    Tags:
    China, Rússia, EUA, arma nuclear, risco nuclear, Alemanha, Ministério da Defesa da Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar