16:19 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5311
    Nos siga no

    A Força Aérea dos EUA tem falta de peças para o bombardeiro furtivo B-2 Spirit e, por isso, precisa de um engenheiro capaz de realizar a engenharia reversa de uma peça-chave do sistema de resfriamento.

    Um anúncio postado no site de contratação do governo norte-americano afirma que a Força Aérea dos EUA precisa de alguém para realizar a "engenharia reversa" do núcleo de um dos sistemas de resfriamento do bombardeiro B-2, bem como para descobrir como remover os núcleos com falhas e instalar novos.

    De acordo com a solicitação, os engenheiros receberão dois exemplares das peças necessárias.

    O portal War Zona afirmou que isso talvez seja devido à natureza altamente secreta dos B-2, já que o plano original ou os instrumentos para produção da peça em questão podem ter sido destruídos. Outra possibilidade é que estas peças tenham sido produzidas por uma empresa que já não existe mais.

    B-2 Spirit (imagem referencial)
    © AP Photo / John Antczak
    B-2 Spirit (imagem referencial)

    A Northrop Grumman construiu apenas 21 destas aeronaves, sendo que a última delas entrou em serviço em 2000. Originalmente, antes do fim da Guerra Fria, os EUA planejavam comprar 132 bombardeiros deste modelo.

    Acredita-se que estas aeronaves continuarão em serviço até 2030, quando devem ser substituídas pelo B-21 Raider, outro bombardeiro furtivo.

    Esta não é a primeira vez que a Força Aérea norte-americana usa engenharia reversa. Anteriormente, também recorreu a ela em diversas partes do bombardeiro B-52 Stratofortress, segundo o War Zone.

    Mais:

    EUA enviam 2 bombardeiros estratégicos ao Oriente Médio como sinal de alerta ao Irã
    FOTOS mostram bombardeiro B-1B dos EUA com míssil de cruzeiro externo
    Bombardeiros dos EUA sobrevoam Oriente Médio em meio à tensão com Irã
    Tags:
    Força Aérea, Força Aérea dos EUA, Bombardeiro, bombardeiros, bombardeiro estratégico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar