20:29 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 810
    Nos siga no

    O programa de munições colaborativas Horda Dourada foi testado na semana passada, informa o portal Flight Global, citando o general Heather Pringle, comandante do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA (AFRL, na sigla em inglês).

    "Na semana passada, demos o próximo passo de passar de duas munições colaborativas para quatro munições colaborativas, que alcançaram com êxito quatro alvos separados ao mesmo tempo. Este foi um grande passo em frente neste programa", afirmou o militar em uma conferência.

    O sistema recebeu a designação de Horda Dourada, em homenagem aos exércitos mongóis a cavalo que conquistaram grande parte do Oeste da Ásia e da Europa Oriental.

    A ideia da Horda Dourada consiste na criação de um conjunto de bombas interconectadas, de 110 quilos cada, contando com asas dobráveis e podendo percorrer 75 quilômetros. Durante o voo, elas trocam dados e decidem se há alvos mais apropriados para o ataque.

    "Quando implantadas em massa [...] compartilham informação e colaboram para derrotar as defesas inimigas. As tecnologias que permitem esta nova capacidade incluem um rastreador de interferências de GPS, que recolhe informação sobre o campo de batalha, um rádio definido por software para a comunicação entre as armas e um processador pré-carregado com algoritmos colaborativos", explicou a Força Aérea norte-americana em um comunicado.

    O AFRL pretende testar o sistema em versões "colaborativas" modificadas da Bomba de Pequeno Diâmetro (SDB, na sigla em inglês) e da Isca Miniatura de Lançamento Aéreo (MALD, na sigla em inglês) lançadas por aeronaves F-16 Falcon.

    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB) (ilustração gráfica)
    © Foto / Raytheon
    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB) (ilustração gráfica)

    A integração entre a tecnologia da Horda Dourada e as bombas está sendo desenvolvida por diferentes grupos, cada um sendo responsável por um tipo de bomba.

    O programa da SDB está sendo gerenciado pela Scientific Applications and Research Associates Inc., com um contrato de US$ 100 milhões (R$ 536 milhões) e o MALD pela Georgia Tech Applied Research Corporation, com um contrato de US$ 85 milhões (R$ 456 milhões), segundo a Air Force Magazine.

    Mais:

    Força Aérea dos EUA compra 16 drones MQ-9 Reaper na hora de fechar sua produção
    Maior base da Força Aérea dos EUA no Afeganistão é atacada
    Força Aérea dos EUA realiza 'caminhadas de elefante' com mais de 30 aeronaves no Alasca (VÍDEO)
    Tags:
    eua, míssil de cruzeiro, míssil teleguiado, míssil balístico, míssil, bombas, bomba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar