07:06 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1293
    Nos siga no

    O piloto de testes russo Yevgeny Frolov revelou as capacidades do drone pesado S-70 Okhotnik ao eliminar alvos inimigos em conjunto com o caça Su-57.

    O equipamento foi desenvolvido para atuar em contato com o Su-57 e empregar todas as armas usadas pelo caça de quinta geração.

    Desta maneira, a decisão final sobre o emprego do armamento do Okhotnik será tomada pelo piloto do avião-líder.

    Segundo Frolov, o piloto não precisa dar instruções ao drone. O próprio Su-57 determina qual o alvo a atingir. Então, o drone dispara as armas, ou seja, "ele ataca com as informações da aeronave", afirmou Frolov durante entrevista ao canal de TV Rossiya 1.

    Atualmente, o operador terrestre do Okhotnik organiza o ataque manualmente, como se estivesse pilotando o caça, com teclado e algumas telas de cristal líquido exibindo várias informações dos sistemas de bordo e câmaras do veículo.

    "Futuramente, este equipamento será automático, logo estes dispositivos de controlo já não estarão lá e, provavelmente, nem sequer existirão", afirmou.

    O drone, fabricado pela empresa OKB Sukhoi, tem um comprimento de 14 metros, uma envergadura de 19 metros e uma massa de decolagem de 20 toneladas. Sua velocidade máxima de voo subsônico é de até 1.000 quilômetros por hora.

    O S-70 Okhotnik será um aparelho multifuncional capaz de eliminar todos os tipos de alvos, tanto aéreos como terrestres. Além disso, o veículo aéreo não tripulado russo foi criado para atuar em conjunto com o caça Su-57 e usar todo o armamento do caça de quinta geração.

    Mais:

    Novos sistemas a laser russos reduzirão a zero o fator de superioridade de drones, diz especialista
    Drone de ataque russo Orion lança mísseis pela 1ª vez, segundo fonte da Defesa
    Rússia desenvolve novas armas a laser para derrubar drones
    Tags:
    Rússia, drones, drone, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar