12:43 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    244
    Nos siga no

    Turquia contratou um escritório de advocacia baseado em Washington para fazer lobby à sua readmissão no programa dos caças F-35, depois que o país foi suspenso devido à compra de sistemas antiaéreos S-400 russos, revela contrato registrado junto do Departamento de Justiça dos EUA.

    Ancara tinha encomendado mais de 100 caças furtivos americanos F-35 e, além disso, o país tem estado produzindo peças e partes para os mesmos. Porém, em 2019 Turquia foi retirada do programa depois de ter adquirido sistemas de defesa antiaérea S-400 que, segundo Washington, são uma ameaça aos F-35.

    Agora, a Turquia contratou o escritório de advocacia Arnold & Porter, para "aconselhamento estratégico e acesso" às autoridades dos EUA, em um contrato de seis meses no valor de US$ 750.000 (R$ 4,06 milhões).

    Anteriormente Ancara afirmou que sua retirada do programa foi injusta, e o presidente Recep Tayyip Erdogan disse que esperava desenvolvimentos positivos com a nova administração de Joe Biden.

    A referida firma de advogados vai "prestar aconselhamentos sobre uma estratégia para que a SSB [Presidência da Indústria de Defesa] e empreiteiros turcos permaneçam no programa Joint Strike Fighter, levando em consideração e abordando os complexos fatores geopolíticos e comerciais [que estão] em jogo", escreve agência Reuters.

    Apesar de retirada da Turquia do programa e da recente introdução de sanções à indústria de defesa do país, o Pentágono disse que vai continuar dependendo de empresas contratadas turcas para produção de componentes-chave dos F-35.

    Mais:

    NI revela como detectar e 'eliminar' caças furtivos F-35 e F-22 inclusive com armas russas
    'Franco-atirador aéreo': caça Su-57 tem capacidades ideais contra defesas inimigas, opina jornal
    China visa limitar exportações de terras raras para prejudicar o setor de defesa dos EUA, diz mídia
    Tags:
    F-35, S-400, Turquia, EUA, lobby
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar