02:39 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3350
    Nos siga no

    A Rússia desenvolveu uma versão naval de um dos sistemas de mísseis antiaéreos mais eficazes, o Tor, que elevará significativamente as capacidades das embarcações de sua Marinha, bem como a proteção contra ataques aéreos.

    Quase todos os sistemas de defesa antiaérea das embarcações são modificações de sistemas terrestres.

    Tor

    O diretor-geral da fábrica eletromecânica Kupol (que faz parte do consórcio Almaz-Antey), Fanil Ziyatdinov, afirmou que a empresa está trabalhando em diferentes versões de chassis para os sistemas antiaéreos.

    Além da versão naval do sistema Tor-M2, surgirá um lançador sobre chassi de rodas que permitirá atravessar obstáculos aquáticos.

    O Tor entrou em serviço em 1986 e hoje é um dos principais sistemas de defesa antiaérea de curto alcance do país. Sua última versão garante uma eficácia de praticamente 100% de abater quaisquer alvos aéreos.

    Sistema antiaéreo Tor-M2DT durante disparos na costa do arquipélago de Nova Zembla
    © Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia
    Sistema antiaéreo Tor-M2DT durante disparos na costa do arquipélago de Nova Zembla

    O sistema tático de mísseis antiaéreos, que pode ser utilizado em qualquer condição climática, foi projetado para defesa antiaérea contra aeronaves de combate, drones, mísseis e armas de alta precisão. Além disso, estes sistemas protegem centros de comunicação, postos de comando e outras instalações.

    Compacto e com um peso de aproximadamente 30 toneladas, o sistema pode atingir uma velocidade de 65 quilômetros por hora e percorrer 500 quilômetros. Entretanto, seu projétil com ogiva de 15 quilos pode atingir alvos a 12 quilômetros.

    Sua modernização prossegue, assim, ele deverá contar com uma antena de matriz faseada avançada, detector passivo e computador de bordo. Com isso, o operador poderá localizar o alvo a uma distância de até 90 quilômetros.

    Projeto modular

    O editor-chefe da revista Arsenal Otechestva, Viktor Murakhovsky, afirmou que a versão naval do Tor já foi testada com sucesso.

    "O módulo de combate deste sistema de mísseis de defesa antiaérea pode ser instalado em qualquer chassi, inclusive no convés de um navio", afirmou.

    Além disso, ele ressaltou que o sistema naval Tor possui as mesmas características da versão terrestre.

    "Há a possibilidade de criar uma versão do sistema de defesa antiaérea que, em um período de ameaças, possa ser instalado facilmente em navios civis", afirmou.

    Desembarque de sistemas de defesa antiaérea Tor-M2DT no litoral do arquipélago de Nova Zembla de bordo do navio de desembarque grande do projeto 775 Kondopoga
    © Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia
    Desembarque de sistemas de defesa antiaérea Tor-M2DT no litoral do arquipélago de Nova Zembla de bordo do navio de desembarque grande do projeto 775 Kondopoga

    Ainda não há previsão de quando o sistema será implantado na frota naval russa, já que a atual prioridade são os sistemas terrestres.

    De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, o Exército do país receberá o Tor até 2027. Isso porque o sistema já passou por diversas fases de modernização, inclusive foi criada uma versão para o Ártico baseada em um veículo capaz de operar em temperaturas do ar inferiores a -50 graus Celsius.

    A versão Tor-M2DT foi adotada pelas forças terrestres e unidades costeiras da Marinha posicionadas no Ártico no ano passado.

    Tanto em terra quanto na água

    Quase todos os sistemas navais russos de defesa antiaérea são baseados em sistemas terrestres e adaptados à Marinha após terem sucesso em terra.

    Sendo assim, o primeiro sistema de mísseis antiaéreos para navios de superfície, Volkhov-M, é uma adaptação do sistema S-75.

    O sistema M-1 Volna foi desenvolvido com base no S-125, entrando em serviço no início dos anos 1960. Além dele, nas embarcações também era instalado o sistema Uragan, que usava o mesmo míssil do Buk terrestre.

    Na década de 1980, a Marinha adotou o sistema de defesa antiaérea S-300F Fort com lançamento vertical, que foi projetado para eliminar alvos de grande velocidade a muito baixas e altas altitudes.

    Lançador múltiplo de mísseis Uragan durante exercício da artilharia tática no campo de treinamento de Molkino, em Krasnodar
    © Sputnik / Georgiy Zimarev
    Lançador múltiplo de mísseis "Uragan" durante exercício da artilharia tática no campo de treinamento de Molkino, em Krasnodar

    Também havia instalações combinadas, como por exemplo, o sistema antiaéreo de artilharia e mísseis Kortik, baseado no sistema misto autopropulsado 2S6 Tunguska, incluindo dois lançadores de mísseis e dois canhões automáticos de seis canos de calibre 30 mm, com cadência de tiro de seis mil tiros por minuto.

    Sendo assim, o Kortik era usado para eliminar alvos a até oito quilômetros. Primeiro, eram disparados os mísseis, em seguida, os canhões automáticos entravam em ação para finalizar a eliminação dos intrusos.

    Entretanto, o Pantsir protege o navio contra mísseis antinavio supersônicos e de cruzeiro, bem como contra bombas aéreas e drones, podendo atingi-los a uma distância de até 20 quilômetros.

    Mais:

    Navios das marinhas russa e indiana conduzem exercícios no oceano Índico (FOTOS)
    Marinha do Reino Unido reporta 'presença russa significativa' perto das águas britânicas
    Marinha russa anuncia primeiras manobras conjuntas com OTAN em 10 anos
    Tags:
    Rússia, navios de guerra, navios russos, navios, Marinha da Rússia, Marinha, Marinha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar