00:36 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3824
    Nos siga no

    A China vem testando desde há uma década sistemas de interceptação de mísseis, mas agora, de acordo com uma fonte, usou a tecnologia de ponta de um veículo cinético para abater mísseis balísticos.

    O gigante asiático envia uma mensagem de que o mundo mudou ao anunciar um teste bem-sucedido de interceptação antimíssil a partir de terra, destruindo uma "ogiva nuclear" no meio de sua trajetória, antes que esta pudesse causar danos no solo.

    Mesmo com o tratado de controle de armas nucleares Novo START, firmado entre os EUA e a Rússia, a China considera os mísseis balísticos intercontinentais norte-americanos uma das maiores ameaças ao país, e por isso, teria realizado o teste de interceptação para fins defensivos, e não direcionado contra algum outro país, informa o jornal South China Morning Post.

    Após o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, retirar o seu país do tratado nuclear, analistas chineses acreditam que os norte-americanos possam estar produzindo mísseis balísticos de alcance intermediário, e por isso a China deve seguir desenvolvendo seus sistemas de interceptação.

    Além dos EUA, a Índia também está sendo observada em meio à tensão envolvendo indianos e paquistaneses devido à disputa territorial. Recentemente, a Índia lançou um míssil balístico de longo alcance, fator que também pode ter contribuído para que a China mostrasse que não está apenas desenvolvendo armas e tecnologias, como também está elevando sua capacidade de defesa caso alguém tente atacar o país.

    Mais:

    Forbes: EUA devem se preparar para o pior em caso de guerra com Rússia e China
    'Grande fratura': Guterres alerta sobre possível divisão do mundo entre EUA e China
    Secretário de Estado dos EUA diz que Washington está com países asiáticos contra 'pressão' da China
    Tags:
    China, míssil hipersônico, míssil de cruzeiro, míssil teleguiado, míssil balístico, míssil, interceptação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar