01:20 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6434
    Nos siga no

    Em 2018, os EUA saíram unilateralmente do acordo nuclear com o Irã e impuseram sanções à nação persa. Agora é esperado o retorno dos norte-americanos ao JCPOA, porém com mudanças que cubram o programa de mísseis iraniano.

    Durante entrevista à TV estatal libanesa, o ex-diplomata iraniano Amir Mousavi revelou que se Israel ou os EUA derem passos "perigosos", o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, pode reverter a fátua religiosa ou decisão impedidora de sua implementação, de desenvolvimento ou uso de armas nucleares.

    De acordo com a fátua de 2003, ou decisão legal islâmica não vinculativa, as armas nucleares são consideradas contrárias ao islã.

    "A fátua é emitida de acordo com o desenvolvimento das circunstâncias. Portanto, acredito que se os americanos e sionistas agirem de maneira perigosa, a fátua pode ser mudada", disse Mousavi em uma entrevista à TV libanesa al-Mayadeen, relatou o jornal The Times of Israel.

    Na entrevista, Mousavi também afirmou que o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, "foi forçado a assinar o acordo nuclear com o Irã" após o abate de um veículo aéreo não tripulado americano pelo Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica em 2011 por "estar se empenhando para vencer o Prêmio Nobel."

    "O Irã tem algumas cartas importantes, que pode usar para forçar o presidente [Joe] Biden a retornar [ao Plano de Ação Conjunto Global - JCPOA] sem pré-condições", observando que "a liderança iraniana não está com pressa", acrescentou Mousavi, comentando o renascimento do acordo nuclear com o Irã.

    "À medida que os americanos atrasam o cumprimento de suas obrigações e o cancelamento das sanções, o Irã continuará desenvolvendo suas capacidades nucleares e defensivas. Acredito que a comunidade internacional é quem tem a perder e não o Irã", acrescentou Mousavi.

    Em um briefing, nesta terça-feira, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Edward Price, disse que os EUA e o Irã estão em um "longo caminho" de retorno ao acordo nuclear de 2015.

    Price também acrescentou que Biden foi "muito claro" que "se o Irã voltar a cumprir integralmente suas obrigações nos termos [do acordo], os Estados Unidos fariam o mesmo, e então usaríamos isso como uma plataforma para construir um acordo mais longo e mais forte que também aborda outras áreas de preocupação".

    Na terça-feira (2), a Agência Internacional de Energia Atômica revelou que o Irã só tem acelerado seu programa nuclear nas últimas semanas, enriquecendo urânio e instalando novas centrífugas na usina subterrânea de Natanz, informou a Reuters. Depois que o ex-presidente americano, Donald Trump, retirou unilateralmente os EUA do JCPOA e restabeleceu as sanções contra o Irã, este último anunciou uma redução gradual de suas obrigações no acordo, abandonando as restrições à pesquisa nuclear, a centrífugas e ao nível de enriquecimento de urânio.

    O ministro iraniano das Relações Exteriores, Javad Zarif, disse em entrevista à CNN, na segunda-feira (1º), que o Irã não pretende construir uma arma nuclear, argumentando que, se o fizesse, teria feito "há algum tempo".

    Ele também propôs que o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, pudesse "coreografar" o estabelecimento do diálogo Irã-EUA no retorno ao acordo nuclear.

    Mais:

    Os EUA nunca atacarão as instalações nucleares do Irã, diz ministro de Israel
    Irã aprofunda quebra de acordo nuclear ao instalar novas centrífugas mais eficientes, diz mídia
    Irã tem pedido sobre sanções dos EUA aceito no Tribunal Internacional de Justiça
    EUA negociam 'frente unificada' com a Europa para discutir programa nuclear do Irã, diz assessor
    Tags:
    israel, EUA, Islã, nuclear, mísseis, Irã, Irã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar