10:17 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    9394
    Nos siga no

    China diz que está monitorando de perto as ações da Marinha dos EUA após o destróier de mísseis guiados USS John S. McCain ter atravessado o estreito de Taiwan pela primeira vez desde que Joe Biden assumiu a presidência.

    Nesta quinta-feira (4), o navio de guerra passou pela via navegável que separa a China continental e a ilha autogovernada.

    "A China tem acompanhado de perto e compreendeu a situação dos navios de guerra dos EUA que atravessam o estreito de Taiwan", disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

    "Pequim continuará a manter um alto nível de alerta em todos os momentos, responder a todas as ameaças e provocações e defender firmemente a soberania nacional e a integridade territorial", acrescentou o porta-voz.

    Wenbin disse ainda que o país espera que os EUA desempenhem um papel construtivo na paz e na estabilidade regionais, e não o contrário.

    Por sua vez, a 7ª Frota da Marinha dos EUA declarou que a manobra do destróier foi realizada "em conformidade com o direito internacional", escreve South China Morning Post.

    Quando o democrata Joe Biden assumiu o cargo de presidente dos EUA ele reafirmou seu compromisso com Taiwan dizendo que o apoio americano à ilha é "sólido como uma rocha", segundo a mídia.

    O estreito de Taiwan é considerado um possível lugar onde possa surgir um conflito armado entre os EUA e a China.

    Mais:

    Taiwan afirma enfrentar ameaças diariamente após EUA anunciarem nova venda de armas para o país
    Cooperação Rússia-China no oceano Índico: estratégia ou aliança simbólica?
    EUA revelam estratégia de contenção da China focada na ascensão da Índia como contrapeso a Pequim
    Tags:
    conflito armado, navio de guerra, Estreito de Taiwan, USS John McCain, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar