01:57 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    166
    Nos siga no

    Um especialista turco comentou o envio de helicópteros Black Hawk para perto da fronteira com a Turquia e outros passos, dizendo que com isso Washington está fortalecendo a Grécia à custa da Turquia.

    Após um exercício militar conjunto entre os Estados Unidos e a Grécia, Atenas permitiu que Washington enviasse 30 helicópteros de ataque Black Hawk para o Aeroporto Internacional de Alexandroupolis.

    Os helicópteros serão baseados no aeroporto de fevereiro a agosto de 2021 e seus reabastecimentos e inspeções técnicas também serão realizados lá, mencionou Stelios Zantanidis, diretor do aeroporto.

    Segundo um especialista turco que falou à Sputnik, isto poderia significar que a Grécia entrou na corrida armamentista.

    "A instalação de 30 helicópteros de ataque em Alexandroupolis pelos EUA não é apenas um importante movimento tático, mas também terá implicações estratégicas. A Turquia deve refletir sobre isso e tomar as medidas necessárias", recomendou Naim Baburoglu, general de brigada aposentado das Forças Armadas da Turquia e professor na Universidade de Aydin em Istambul, Turquia.

    O ex-militar sublinhou que Alexandroupolis, que fica perto da fronteira com a Turquia, é uma zona desmilitarizada segundo o Tratado de Lausanne, um acordo de paz que estabeleceu as fronteiras da Turquia moderna em 25 de julho de 1923.

    "Em Alexandroupolis não deve haver militares estacionados. De acordo com o Tratado de Lausanne, a área situada a 30 quilômetros da fronteira é uma zona desmilitarizada. É óbvio que esta situação é um sério indicador do desacordo entre a Turquia e os EUA", lamentou o especialista.

    O especialista lembrou que no local já haviam sido colocados tanques, enquanto agora estão sendo implantados helicópteros, versões armadas dos helicópteros Sikorsky Black Hawk, o que indica que os norte-americanos usarão este território como base militar permanente.

    Ao mesmo tempo, Washington assinou um acordo sobre o estabelecimento de um centro de segurança no Chipre do Sul, que tem como objetivo proporcionar treinamento nos campos da segurança marítima, fronteiriça, alfandegária e cibernética, e está levantando gradualmente o embargo de armas à administração grega do Chipre do Sul, imposto em 1974.

    "Assim, os Estados Unidos estão armando a administração grega do Chipre do Sul", salientou Baburoglu.

    "O levantamento faseado do embargo ao fornecimento de armas significa que Washington está gradualmente preparando os cipriotas gregos para a adesão à OTAN. É óbvio que isto corresponde aos interesses da Grécia e da UE em geral, mas para a Turquia representa uma séria ameaça", acrescentou ele.

    O professor na Universidade de Aydin lembrou que a Grécia tinha quintuplicado seu orçamento de defesa e comprado 18 caças polivalentes Rafale da França.

    "É uma espécie de mensagem sobre a cooperação estratégica entre a França e a Grécia virada contra a Turquia."

    "É óbvio que a Grécia entrou em uma corrida armamentista", concluiu ele.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Se houver guerra, quem vence: tanques gregos ou drones turcos?
    Erdogan critica EUA e UE por sanções e diz que Turquia não será dissuadida
    Grécia acusa Turquia de obstruir escolta de bombardeiro B-52 dos EUA durante exercícios da OTAN
    Em briga por petróleo no Mediterrâneo, Grécia descarta 'pressão militar' da Turquia
    Estados Unidos estão tentando reforçar sua posição no Mediterrâneo, diz mídia
    Tags:
    Alexandrópolis, Chipre, EUA, União Europeia, UE, Istambul, Turquia, Black Hawk, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar