10:47 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    349
    Nos siga no

    A Força Espacial dos EUA planeja colocar em órbita centenas de satélites para monitorar os eventos na superfície terrestre, incluindo a detecção de lançamentos de armas hipersônicas.

    A rede de vigilância militar em órbita poderia ser formada por mais de 1.000 satélites.

    Recentemente, o Pentágono assinou dois contratos para o desenvolvimento de satélites capazes de detectarem armas hipersônicas.

    As empresas L3Harris Technologies e Northrop Grumman firmaram contratos com a Agência de Defesa contra Mísseis (MDA, na sigla em inglês) por US$ 122 milhões (R$ 653 milhões) e US$ 155 milhões (R$ 830 milhões), respectivamente, para desenvolver um protótipo de satélite do Sensor Espacial de Rastreamento Hipersônico e Balístico (HBTSS, na sigla em inglês).

    Devido à dificuldade atual em detectar as armas hipersônicas, a nova geração de satélites vai orbitar mais próximo da Terra que outros satélites da rede norte-americana de detecção de mísseis.

    Tanto a China como a Rússia têm ao menos uma arma hipersônica operacional, que atinge velocidades superiores a Mach 5 (6.125 quilômetros por hora), com um suposto alcance de 24.000 quilômetros, segundo relatório da Inteligência norte-americana. O programa de armas hipersônicas dos EUA está ainda em desenvolvimento.

    Os atuais satélites geoestacionários de detecção de mísseis orbitam a uma altitude aproximada de 35.400 quilômetros da superfície terrestre.

    O novo sistema consistirá de centenas de satélites em órbita terrestre baixa (LEO), se comunicando entre si para detectar e rastrear armas adversárias.

    De acordo com o boletim do Departamento de Defesa, o acordo inclui "um protótipo de demonstração em órbita, bem como o seu lançamento e teste", no dia 22 de julho de 2023.

    A edição C4ISRNET informou que os satélites HBTSS farão parte dos planos de construção de satélites hipersensíveis de rastreamento, destinados a detectar o lançamento de armas hipersônicas.

    Os satélites em órbita terrestre baixa fornecerão dados de segmentação para armas hipersônicas, que são menos visíveis do que os mísseis balísticos tradicionais e podem manobrar em voo. Isso permitirá, segundo o portal Defense News, "tapar um buraco maciço na arquitetura de alerta de mísseis dos EUA".

    Mais:

    Queda recorde no comércio Brasil-EUA foi influenciada por Trump, diz pesquisador
    China torna-se principal país de investimento estrangeiro enquanto EUA recuam em meio à pandemia
    Com nova administração, Tesouro dos EUA se prepara para 'colapso' do dólar?
    Tags:
    satélite militar, armas hipersônicas, satélites, satélite, EUA, Pentágono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar