14:36 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    89511
    Nos siga no

    Revista norte-americana Popular Mechanics avaliou lançamento simultâneo de quatro mísseis balísticos intercontinentais Bulava a partir do submarino nuclear russo Vladimir Monomakh, chamando o lançamento de "prévia do fim da civilização".

    Em 12 de dezembro, o submarino nuclear estratégico da classe Borei de quarta geração Vladimir Monomakh disparou pela primeira vez quatro mísseis balísticos intercontinentais Bulava submerso no mar de Okhotsk, atingindo os alvos no polígono de Chizha, na região de Arkhangelsk.

    Todos os mísseis Bulava atingiram com sucesso os alvos posicionados no polígono militar de Chizha.

    A revista destacou que os mísseis voaram sobre quase todo o território da Rússia, "de uma localização ao norte do Japão até um lugar perto da Finlândia", correspondendo a uma distância de cerca de cinco mil quilômetros.

    Além disso, segundo o artigo, os mísseis Bulava, lançados desde o mar de Okhotsk, podem atingir a maior parte dos Estados Unidos a oeste do Mississippi. Disparados do mar Branco, os mísseis podem atingir o território norte-americano a leste do Mississippi.

    "Ainda bem que foi apenas um teste", escreveu o autor do artigo.

    Míssil balístico intercontinental Bulava é aproximadamente equivalente ao míssil norte-americano Trident D-5, de acordo com a Popular Mechanics, que destacou que metade dos 12 testes do míssil Bulava, realizados entre 2003 e 2009, terminou em fracasso. No entanto, todos os dez testes a partir de 2018 tiveram sucesso.

    Mais:

    Orgulho da Marinha russa: NI nomeia 5 submarinos mais impressionantes da Rússia
    Índia pretende obter 38 mísseis BrahMos para novos navios de guerra
    Destróieres recém-comissionados realizam exercícios intensivos de combate na China
    Mídia norte-americana revela pontos-chave sobre novo míssil Tomahawk Block V da Marinha dos EUA
    Tags:
    Bulava, submarino nuclear, míssil, mísseis, submarino, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar