07:08 19 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    A nova frota de destróieres da classe DDG 51 Flight III da Marinha dos EUA está projetada para impulsionar a capacidade de operação em um cenário de conflito massivo no mar alto.

    O USS Jack H. Lucas, o primeiro dos avançados navios de guerra da nova frota de destróieres DDG 52 Flight III da Marinha dos EUA, será equipado com o novo radar AN/SPY-6 de grande potência, sensibilidade e longo alcance, informou o NAVSEA (Comando de Sistemas Marítimos Navais).

    Destróier USS Jack Lucas da Marinha dos EUA
    Destróier USS Jack Lucas da Marinha dos EUA

    O radar AN/SPY-6, fabricado pela Raytheon, está projetado para localizar e identificar simultaneamente múltiplas ameaças, como drones inimigos, helicópteros e aviões que voem a baixas altitudes, assim como mísseis balísticos. O radar vai permitir às embarcações detectar objetos menores a distâncias maiores, além de proporcionar informação mais detalhada sobre os objetos, distinguindo eficientemente as ameaças de objetos não perigosos.

    Em um cenário de ataque múltiplo coordenado, o novo radar SPY-6 permitirá tomar decisões mais rapidamente e otimizar as estratégias de contra-ataque.

    O diretor de sistemas de radar na Raytheon, Scott Spence, explicou à edição Warrior Maven, em uma entrevista publicada neste sábado (12), que o desenvolvimento do SPY-6 visou "a uniformidade na engenharia de hardware e software em toda a frota para melhorar as operações e a manutenção […], de modo a que a nova tecnologia possa ser integrada sem problemas na frota e colocada em todas as plataformas, tanto existentes como emergentes", disse

    "Isto é uma economia de gastos e agiliza a obtenção de novas capacidades para a frota", resumiu Spence.

    Capacidades melhoradas

    O radar funciona enviando uma série de sinais eletromagnéticos à velocidade da luz, que "ricocheteiam" em uma ameaça e enviam um sinal de retorno que identifica a forma, tamanho, velocidade e distância do objetivo. A análise destes dados permite aos operadores de radar obter uma "imagem" do que pode ser esta ameaça específica

    As capacidades técnicas melhoradas do radar SPY-6 são possíveis graças a uma tecnologia de semicondutores de compostos químicos chamada nitrito de gálio, que permite ampliar sinais de alta potência em frequências de micro-ondas.

    Isto garante uma melhor detecção de objetos a maiores distâncias em comparação com os materiais de uso comum existentes, como o arseneto de gálio, explicou a companhia.

    Mais:

    Analista militar afirma que caças norte-americanos são vulneráveis em face de radares russos
    Mais cara e longa: após instalação terrestre falhar, Japão implanta radares dos EUA Aegis em navios
    Destróieres recém-comissionados realizam exercícios intensivos de combate na China
    Tags:
    Marinha dos EUA, embarcação, navio, radar, Defesa, Raytheon
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar